Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Sem acordo, Renault fecha turno e demite 747; empregados entram em greve
Assembleia na porta da fábrica da Renault em São José dos Pinhais (PR): 747 demissões e decisão por greve

Trabalho | 21/07/2020 | 18h00

Sem acordo, Renault fecha turno e demite 747; empregados entram em greve

Empresa informa que tomou decisão após apresentar propostas nos últimos 50 dias que foram rejeitadas por sindicato e trabalhadores

PEDRO KUTNEY, AB

Texto atualizado e complementado às 23h de 21/07

Após tentar sem sucesso na semana passada acordo com os trabalhadores para abrir um programa de demissões voluntárias (PDV) na fábrica de São José dos Pinhais (PR) com o objetivo de reduzir em 800 pessoas o quadro de 7,2 mil funcionários da unidade, a Renault decidiu não esperar mais. Na terça-feira, 21, a empresa informou que unilateralmente vai fechar o terceiro turno e, com isso, demitirá 747 empregados da produção. O ritmo dos três turnos já era bastante lento, com 70% de redução de jornada.

A decisão foi anunciada 24 horas antes do prazo de 72 horas que Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) havia dado à empresa para fazer nova proposta aos trabalhadores. Em vez da contraproposta, vieram as demissões com menos benefícios do que os previstos na oferta rejeitada de PDV. A reação sindical foi imediata, com a convocação de assembleia, realizada no fim da tarde da terça-feira, que colocou em votação e segundo a entidade aprovou “por unanimidade” a realização de greve por tempo indeterminado, até que a empresa volte a negociar para reverter os cortes de pessoal.

“A Renault do Brasil informa que desde o início da pandemia, em março, aplicou soluções de flexibilidade como férias coletivas e a MP 936 (redução de jornada e salários) para o enfrentamento da crise da Covid-19. Com o agravamento da situação, queda das vendas [da marca] em 47% no primeiro semestre e a falta de perspectiva de retomada do mercado, a Renault buscou negociações com o sindicato e vem nos últimos 50 dias trazendo propostas para a necessária adequação da estrutura fabril. Após realizar todos os esforços possíveis e não havendo aprovação das medidas propostas, não restou outra alternativa que, em 21 de julho, anunciar o fechamento do terceiro turno e o desligamento de 747 colaboradores da produção do Complexo Ayrton Senna”, diz a nota oficial da empresa.

“Queremos deixar nosso repúdio pela forma que esta empresa está agindo, mesmo recebendo incentivos fiscais do governo do Estado para gerar e também manter empregos. Infelizmente não é o que a direção atual desta planta está pensando. Vamos nos manter em estado de greve, em assembleia na porta da fábrica, até que a Renault reveja essa decisão e volte a negociar conosco”, afirmou o presidente do SMC, Sérgio Butka.

RETIRADA DE BENEFÍCIOS



O PDV proposto na semana passada previa o pagamento de 1,5 a 4 salários extras (dependendo do tempo de casa de cada funcionário), primeira parcela de R$ 8,5 mil do programa de participação nos resultados (PPR) e extensão de vale-mercado até o fim do ano e do plano médico até junho de 2021. Como a proposta foi rejeitada em assembleia na sexta-feira, 17, agora os funcionários serão desligados involuntariamente com benefícios bem menores.

Segundo a Renault, além das verbas rescisórias normais, serão pagos dois salários extras que equivalem ao período de estabilidade de dois meses após a adoção de jornada prevista na MP 936. A empresa concederá vale-mercado integral só até outubro próximo e o plano de saúde para titular e dependentes será garantido até dezembro. Também será oferecido um programa de orientação para a recolocação.

Desde o início da crise instalada pela pandemia de coronavírus, a Renault está entre as marcas que mais perderam vendas e vem enfrentando resistência do sindicato e de seus trabalhadores em aprovar ajustes para adequar a produção da fábrica ao Paraná à realidade de demanda reduzida que, na avaliação da empresa, deverá perdurar por longo tempo. Sem acordo, a empresa decidiu impor suas necessidades.

ESTRATÉGIA GLOBAL DE CORTES DE CUSTOS



A Renault acrescenta ainda que o enxugamento do quadro de funcionários e da produção na fábrica do Paraná “também está alinhada com projeto de redução de custos anunciado pelo Grupo Renault em maio”, que envolve cortes de € 2 bilhões nos próximos três anos, com a diminuição da capacidade global de produção de 4 milhões para 3,3 milhões veículos/ano, fechamento de fábricas e demissão de 15 mil pessoas no mundo (4,6 mil só na França).

A empresa é a segunda montadora a anunciar demissões desde o início da crise da pandemia de coronavírus. A primeira foi justamente sua sócia de Aliança, a Nissan, que também adota programa global de cortes de custos e em 22 de junho anunciou o fechamento de um dos dois turnos de produção na fábrica de Resende (RJ), com a demissão de 398 pessoas.



Tags: Renault, trabalho, PDV, PLR, PPR, PDI, corte, Paraná, São José dos Pinhais, Complexo Ayrton Sena, pandemia, coronavírus, Covid-19, Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, SMC.

Comentários

  • FabioBarile

    AAliança Renault-Nissan ainda irá se lamentar muito por não ter aceito a fusão com FCA.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência