Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Renault nega rever demissões após uma semana de greve
Metalúrgicos fazem protesto contra demissões em frente a concessionária da Renault em Curitiba

Trabalho | 31/07/2020 | 21h00

Renault nega rever demissões após uma semana de greve

Sindicato pede ajuda do governo estadual para pressionar por readmissão, nova reunião para negociar com a empresa acontece na segunda-feira, 3 de agosto

PEDRO KUTNEY, AB

A fábrica da Renault em São José dos Pinhais (PR) entra na segunda semana de paralisação após a empresa anunciar o encerramento do terceiro turno e a demissão de 747 trabalhadores em 21 de julho. O Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) convocou assembleia na mesma data que aprovou a greve na planta e desde então tenta sensibilizar políticos do Estado e o governo do Paraná a pressionar a empresa a readmitir os funcionários desligados. A Renault afirma que está aberta ao diálogo para discutir novo acordo trabalhista com os empregados, mas nega que vá rever os cortes.

Após passar toda a semana realizando assembleias na via de acesso à fábrica, o sindicato conseguiu levar o assunto à Assembleia Legislativa do Paraná, que realizou audiência pública na manhã da sexta-feira, 31, para ouvir os trabalhadores e a empresa. O SMC tenta ganhar apoio de deputados estaduais e do executivo paranaense para pressionar a Renault com a aplicação de uma lei estadual que veda a demissão de trabalhadores por empresas beneficiadas por incentivos fiscais do Estado.

Durante a audiência os representantes da Renault se comprometeram “a voltar à mesa de negociação e debater, entre outros temas, a readmissão dos 747 demitidos”, diz uma nota do sindicato. A reunião foi marcada para a segunda-feira, 3 de agosto, e vai envolver, além da empresa e o SMC, representantes do governo, deputados e o Ministério Público do Trabalho. A Renault confirmou o encontro, para discutir pontos do novo acordo coletivo para os próximos anos, mas segue afirmando que não irá voltar atrás nas demissões.

“Estabelecer uma mesa de diálogo sempre foi a nossa reivindicação, mas a empresa, sem mais nem menos, decidiu radicalizar demitindo os trabalhadores. Para que o encontro dessa segunda possa ser produtivo a Renault tem que suspender as demissões. Será uma demonstração de boa vontade que vai deixar claro se a empresa está mesmo preocupada com os trabalhadores”, disse o presidente do SMC, Sérgio Butka.

A empresa desmente Butka e afirma que nunca se recusou em negociar, informando que já houve na quarta-feira, 29, uma reunião com o SMC e representantes do governo estadual e Ministério Público do Trabalho, que participaram como ouvintes. O encontro terminou sem acordo, conforme a Renault, porque os sindicalistas impuseram as readmissões como ponto de partida para retomar qualquer negociação, o que a montadora se negou a aceitar.

A Renault acusa o sindicato de impedir a volta ao trabalho dos cerca de 4 mil funcionários da produção, que estão sem receber desde o início da greve. Na avaliação da empresa, a maioria dos empregados da unidade quer voltar a trabalhar, mas não consegue porque o SMC montou barreiras na estrada de acesso ao Complexo Ayrton Senna, o que obriga os ônibus fretados a retornar com os trabalhadores.

RELAÇÃO DIFÍCIL E FALTA DE COMPETITIVIDADE



Após fecharem acordos bastante vantajosos aos trabalhadores nos últimos anos, Renault e SMC vêm travando uma relação difícil desde o início deste ano, antes mesmo da instalação da pandemia de coronavírus que obrigou a paralisação da produção a partir da última semana de março até o começo de julho. A empresa procurou o sindicato já no início do ano para tentar pavimentar negociação em torno de um novo acordo coletivo para os próximos anos, com o objetivo de trazer mais competitividade à fábrica brasileira e assim iniciar um novo ciclo de investimento no País com a produção de um novo veículo na unidade.

Segundo a Renault, desde então o sindicato vem negando todas as propostas, que incluíram redução de jornada (quando a crise da pandemia começou), plano de demissões voluntárias e o próprio acordo coletivo proposto até 2022.

Especialmente após os estragos econômicos causados pela pandemia, que trouxe queda de 48% em suas vendas no País no primeiro semestre, a Renault alega que não pode mais sustentar o mesmo quadro de funcionários que vinha mantendo, nem conceder reajustes acima da inflação, como aconteceu nos últimos anos. Segundo a empresa, os funcionários já ganham salários que estão 1,5 vez acima da média do setor automotivo nacional, e três vezes mais do que é pago pela sócia de aliança, a Nissan, na fábrica de Resende (RJ), onde também foram anunciadas 398 demissões no fim de junho passado.

O salário inicial de um operador na fábrica do Paraná, segundo divulga a Renault, é de R$ 3.070/mês, mais vale-mercado de R$ 578 e plano de participação nos resultados (PPR, condicionado à produção de no mínimo 376 mil veículos/ano) que em 2019 chegou a R$ 26.500 (equivalente a R$ 2.208 por mês). Assim, sem considerar encargos e benefícios como plano médico, o custo salarial de um empregado iniciante na Renault do Brasil é de R$ 5.856/mês.

A Renault também oferece alguns números para comparação com outras fábricas de alto volume no País, concorrentes diretas incluindo líderes de mercado, onde o salário médio de entrada de um empregado da produção é de R$ 1.800/mês, não há vale-mercado na maioria e o PPR em 2019 foi de R$ 14.000 (equivalente a R$ 1.167 por mês), o que elevou o total a R$ 2.967 por mês (sem encargos e benefícios), praticamente a metade do que a fabricante paga no Paraná.

Para retomar sua competitividade no Brasil e voltar a investir, a Renault alega que será fundamental reduzir sua massa salarial. Por isso propôs para um novo acordo coletivo, entre outros pontos, que a partir de 2022 o salário inicial da fábrica seja reduzido em 20% para novos contratados, além de poder terceirizar até 350 postos em funções paralelas à produção, como um operador de empilhadeira, por exemplo.



Tags: Renault, trabalho, PDV, PLR, PPR, PDI, corte, Paraná, São José dos Pinhais, Complexo Ayrton Sena, pandemia, coronavírus, Covid-19, Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, SMC.

Comentários

  • Silvani

    Achoque eles deveriam cumprir com as encomendas, principalmente na área de pcd! Pq é sempre com urgência que essas pessoas precisam.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência