Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
#ABPlanOn discute cenário de veículos pesados com 4 mil participantes

Eventos | 26/08/2020 | 21h43

#ABPlanOn discute cenário de veículos pesados com 4 mil participantes

Evento digital já soma mais de 12 mil acessos e 65 mil visualizações na plataforma em três dias

REDAÇÃO AB

O terceiro dia do #ABPlanOn, evento digital realizado por Automotive Business, foi dedicado aos veículos pesados e o panorama desse mercado no restante de 2020 e 2021. Uma palestra sobre a nova etapa da legislação de emissões para veículos pesados e dois painéis que reuniram cinco dos principais executivos do setor permearam as discussões das apresentações ao vivo na manhã da quarta-feira, 26.

Com mais de 12 mil acessos realizados por quase 4 mil participantes, a plataforma do evento já somou 65 mil visualizações nos primeiros três dias da jornada, que se estende até a sexta-feira, 28. Além das apresentações ao vivo, os inscritos também têm acesso ao download de uma centena de documentos preparados com exclusividade para o público do #ABPlanOn, incluindo vídeos gravados, artigos, ee-books, estudos, infográficos e podcasts.

Outro destaque da jornada digital são as oportunidades de conexões e networking por meio do sistema desenhado em parceria com a 100 Open Startups, que permitiu a realização de rodadas de negócios digitais durante o #ABPlanOn. Já foram realizados mais de 300 pedidos de reuniões entre os participantes.

DESAFIOS DO PROCONVE P8



O diretor técnico da Anfavea, Henry Joseph Jr., começou os trabalhos do terceiro dia do #ABPlanOn trazendo um panorama das mudanças previstas na oitava fase da lei de emissões para caminhões e ônibus, o Proconve P8, prevista para entrar em vigor em 2022/2023. A regulamentação tem novos índices mais apertados de emissões baseada na lei em vigor na Europa, conhecida como Euro 6. Para isso, é necessário investimento pesado da indústria, estimado em R$ 12 bilhões, que agora impactada pela crise gerada pela pandemia busca junto ao governo prorrogar a entrada em vigor da lei em dois ou três anos.

“Desta vez, temos um prazo ainda mais curto para o desenvolvimento, adaptação de laboratórios, cotação e aprovação de fornecedores, realização dos testes funcionais e de durabilidade, desenvolvimento e adaptação do processo produtivo e treinamento da rede”, afirmou Henry Joseph Jr.



O MERCADO DE CAMINHÕES E ÔNIBUS



Em painel reuniu os grandes players do mercado de caminhões e ônibus no Brasil, fabricantes de linha completa de veículos, dos semileves aos pesados, representantes da Mercedes-Benz, Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) e Iveco avaliaram o comportamento do mercado em 2020 diante dos impactos da pandemia e indicaram qual poderá ser o cenário para 2021.

“Antes da pandemia, vislumbrava-se um crescimento do mercado de caminhões em 10% para 2020, com mais de 100 mil unidades vendidas; com a chegada da pandemia, foi preciso rever todas as projeções e agora a maior parte das marcas projeta volume igual ao da Anfavea (mercado de 65 mil caminhões novos em 2020). Existe uma maior visibilidade do cenário atual, com viés de alta, e essa visibilidade é melhor do que nos meses passados”, Ricardo Barion, da Iveco.



“Os emplacamentos de caminhões de agosto já indicam um volume menor do que o de julho, muito em função dos represamentos gerados por causa da quarentena, o que fez parar o funcionamento dos Detrans no segundo trimestre. Com isso, é muito difícil neste momento prever qualquer número diferente da projeção da Anfavea, que espera emplacar 65 mil caminhões em 2020”, avalia Roberto Leoncini, da Mercedes-Benz.



“A situação atual se mostra um pouco menos pior do que imaginávamos, embora a previsão seja positiva para caminhões no segundo semestre. Para ônibus, se não fosse o Caminho da Escola, o segmento teria uma queda dramática e histórica das vendas em 2020”, afirmou Ricardo Alouche, da VWCO.



O painel de encerramento das apresentações ao vivo contou com os presidentes para América Latina de dois dos maiores fabricantes de caminhões extrapesados, Christopher Podgorski, da Scania, e Wilson Lirmann, do Grupo Volvo. Ambos creditaram ao desempenho excepcional do agronegócio brasileiro, principal comprador de modelos extrapesados, a passagem mais suave pela crise.

“Continuamos com a gestão de crise, monitorando semanalmente a situação do mercado. No momento, vejo duas pistas da economia: uma em alta velocidade, que é o agronegócio, a grande fortaleza do Brasil, e a pista mais lenta, onde está a indústria e os serviços. Estamos cautelosamente otimistas no curto prazo, mas existe um impacto em toda a cadeia”, analisou Wilson Lirmann, da Volvo.



“O agronegócio segue com 40% de participação das nossas vendas, mas é muito difícil falar em números absolutos neste momento. Estamos moderadamente otimistas para 2021. Se tiver renovação de frota, será um grande alavancador – e teria um impacto de eficiência energética até mais positivo do que a própria implantação do Euro 6 num primeiro momento”, afirmou Christopher Podgorski, da Scania.







Tags: #ABPlanOn, caminhões, ônibus, veículos comerciais, Proconve P8, Anfavea, VWCO, Iveco, Mercedes-Benz, Volvo, Scania, mercado, pandemia, coronavírus, Covid-19.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência