Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
“O mundo inteiro vai sair menor dessa crise”, diz presidente da Anfavea

Entidades | 27/08/2020 | 16h30

“O mundo inteiro vai sair menor dessa crise”, diz presidente da Anfavea

Para Luiz Carlos Moraes, a retração mundial já é fato; no Brasil, só saberemos o impacto real da crise no último trimestre

WILSON TOUME, PARA AB

O presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, iniciou sua entrevista on-line durante o #ABPlanOn, evento realizado por Automotive Business na quinta-feira, 27, explicando que a expectativa no início do ano era de que a indústria automotiva global poderia produzir 90 milhões de veículos em 2020, mas após o impacto da pandemia, esse número agora talvez chegue a 70 milhões. Com uma redução dessa proporção, não há como negar que o mercado vai ficar menor para todos e esse fenômeno também vai ocorrer em outros setores da economia. Por isso, ter competitividade se torna ainda mais importante, destacou o dirigente da associação nacional dos fabricantes de veículos.

“Essa queda na produção vai aumentar a ociosidade em várias fábricas pelo mundo, fazendo com que uma planta no Brasil se torne concorrente de sua matriz, por exemplo”, explicou Moraes. “Assim, é importante brigar para garantir a continuidade da produção e novos projetos”, acrescentou. E uma das chaves para isso é a competitividade.

De acordo com Moraes, um estudo encomendado pela Anfavea mostrou que uma fábrica de veículos no Brasil é cerca de 18% menos competitiva que uma similar no México.

“As empresas estão fazendo o seu trabalho, com instalações modernas e pessoal treinado, o que nos afeta é a infraestrutura do País; esse é um problema grave, que já existia antes da crise, mas por conta dela, o Brasil perdeu as grandes reformas, os grandes projetos que poderiam ajudar a diminuir essa diferença competitiva”, afirmou Luiz Carlos Moraes.



O executivo revelou que a Anfavea, ao lado de outras entidades, participou de um levantamento o qual mostrou que o Brasil tem um custo adicional de R$ 1,5 trilhão acima da média dos países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), e significa um índice de 22% de ineficiência em vários aspectos, como acesso ao financiamento,encargos trabalhistas, logística, custo da energia etc. A partir desse estudo, as entidades vão elaborar uma série de iniciativas para atacar o chamado “custo Brasil” e a ideia é de que até 2022 elas já ajudem a reduzir substancialmente o problema.

COPO MEIO CHEIO OU MEIO VAZIO?



Sobre a possibilidade de haver cortes na indústria, Luiz Carlos Moraes foi claro: “Hoje temos excesso de pessoal em toda a cadeia produtiva, e as montadoras estão conversando com os sindicatos – cujo posicionamento neste momento também merece ser elogiado – e estamos tentando de todas as formas possíveis adiar ao máximo a demissão de pessoas”, declarou. “Mas existe um limite para isso, e se a retomada da economia não ocorrer, as empresas serão obrigadas a adequar seus quadros à nova demanda”, explicou.

“Estamos tentando de tudo para evitar cortes, pois a nossa mão de obra é muito qualificada, as companhias investiram muito no pessoal e reconhecem o seu valor, os funcionários são um ativo muito importante para a indústria”, acrescentou Moraes.



O presidente da Anfavea fez questão de lembrar o importante papel que as montadoras tiveram (e ainda têm) no auxílio à saúde, construindo e reparando respiradores e ventiladores pulmonares. “Quem poderia imaginar que as fabricantes de veículos seriam capazes de fazer isso com tanta agilidade? A gente conversou na Anfavea e conseguiu dar essa resposta muito rapidamente”, lembra Moraes. “Então, se vamos sair menores nos números, em compensação, na questão humanitária, de solidariedade, sairemos muito maiores”, afirmou.

Sobre o futuro próximo, Luiz Carlos Moraes foi enfático: “Não me importo muito com os números da queda deste ano; nossa previsão inicial indica recuo de 40% e tem gente já falando que ele pode ser menor, de 30% ou 35%, mas isso não faz muita diferença, pois o tamanho da redução continua muito grande”, explicou. “De qualquer forma, é só no quarto trimestre que teremos a ideia concreta dos efeitos da pandemia na economia”, disse o dirigente.

Já para 2021, a expectativa é de crescimento, já que a comparação será feita sobre uma base menor (deste ano). Mesmo assim, Luiz Carlos Moraes fez questão de observar: “Isso é baseado em um cenário no qual a gente já tenha um situação melhor com relação à Saúde; se não a solução definitiva para a doença (vacina), ao menos um ambiente sob controle”, concluiu.





Tags: #ABPlanOn, Luiz Carlos Moraes, Anfavea, produção, empregos, crise.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência