Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Produção de caminhões cresce em agosto, mas mix de produtos preocupa

Indústria | 04/09/2020 | 16h32

Produção de caminhões cresce em agosto, mas mix de produtos preocupa

Com produtividade menor, fábricas têm dificuldade em atender pedidos

SUELI REIS, AB

A produção de caminhões está retomando seus volumes mês a mês: dados da indústria divulgados na sexta-feira, 4, pela Anfavea indicam que o total fabricado em agosto superou o de julho em 7,3%, ao atingir 7,3 mil unidades. O crescimento, tem sido impulsionado pelo mercado interno, principalmente por causa da alta demanda do agronegócio, responsável pela maior parte das compras de caminhões pesados e extrapesados.



- Faça aqui o download dos dados da Anfavea
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



E é exatamente por causa desses pedidos que a indústria tem certa dificuldade de atender a todos. O presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, argumenta que as medidas sanitárias adotadas pelas fábricas para manter uma distância segura e evitar aglomerações entre os funcionários mexeu no ritmo da produção, agora mais lento, fazendo cair a produtividade.

Da mesma forma, o vice-presidente da entidade, Marco Antonio Saltini, reforça que há produtos que têm sido os mais procurados pelos clientes e que não estão em estoque.

“Não há falta de produto em termo de volume, mas sim de mix. A indústria segue fazendo os ajustes mais em função da calibração desses estoques e planejando isso com a rede de concessionárias”, afirma o vice-presidente da Anfavea.



Segundo o executivo, por causa da menor produtividade, a indústria de caminhões está atualmente com 60% de sua capacidade ociosa.

“Já chegamos a ter quase 80% de ociosidade na época da crise anterior, que começou em 2014 e o setor não recuperou totalmente: quando estava em vias de recuperar, veio a pandemia”, lembra Saltini.

A queda da produtividade também se deve aos ajustes de estoques por causa do mercado, que em tempos de pandemia segue com menor demanda. As vendas de agosto caíram 15% com relação a julho, para pouco mais de 8 mil caminhões emplacados. Segundo Saltini, volumes maiores vistos nos meses anteriores, como junho e julho, refletem o represamento dos emplacamentos, uma vez que em as vendas de maio só foram registradas depois devido ao fechamento de vários Detrans pelo País.

“Este volume de 8 mil já está mais próximo da nova realidade do mercado. Para se ter ideia, a média diária de vendas de julho era de 450 unidades e hoje está em 400 emplacamentos por dia útil, então o mercado não deve ter mais esse impacto de represamento”, explicou.

O presidente da Anfavea voltou a dizer que embora o terceiro trimestre esteja apresentando melhores resultados do que o segundo, como já era previsto, confirmou que em outubro a entidade apresentará sua nova projeção para 2020.

“Vamos reavaliar com base nos impactos positivos, como o agronegócio, mas também considerando as incertezas e como elas podem impactar o setor: como o aumento do desemprego, a redução do valor do auxílio emergencial e as contas públicas. Com isso, esperamos ter o quão positivo será o último trimestre e quem sabe ter uma indicação de como pode ser a tendência para 2021”, concluiu o presidente da Anfavea.





Tags: Produção, caminhões, indústria, fábrica, Anfavea, Marco Antonio Saltini, Luiz Carlos Moraes, produtividade, ociosidade.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência