Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Importadoras da Abeifa já vendem mais veículos nacionais do que importados
Presidente da Abeifa, João Oliveira: ''Os veículos nacionais de nossas associadas têm uma situação menos danosa do que os importados neste ano''

Mercado | 02/10/2020 | 15h51

Importadoras da Abeifa já vendem mais veículos nacionais do que importados

Reversão já acorre em 2020 e presidente João Oliveira vê como tendência para os próximos anos

SUELI REIS, AB

O volume de vendas de veículos nacionais registrado pela Abeifa já é maior do que o das vendas de importados. Dados divulgados pela entidade mostram que pela primeira vez em sua história a entidade registra a reversão neste ano: no acumulado de janeiro a setembro, as vendas dos modelos fabricados por suas associadas no Brasil superaram as 20,5 mil unidades – no mesmo período, os importados somam 19,8 mil emplacamentos.



- Faça aqui o download dos dados da Abeifa
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



No caso dos nacionais, houve queda de 10,1% sobre volume vendido em mesmo período de 2019, enquanto nos importados a queda foi maior, na casa dos 20%.

“Esta é uma tendência para os próximos anos”, afirma o presidente da Abeifa, João Oliveira, durante a apresentação do balanço e desempenho do setor à imprensa realizada na sexta-feira, 2. O executivo lembra que dentro da projeção para 2020, o volume total de veículos nacionais deverá ser de 29,5 mil unidades emplacadas, enquanto os importados devem ficar em 28,5 mil.

Isso porque entre seus 15 associados, a entidade possui quatro que produzem veículos no Brasil: Caoa Chery, BMW, Land Rover e Suzuki – e as três primeiras têm performado de forma muito positiva ao longo ano, apesar da pandemia. A Caoa Chery, por exemplo, lidera entre as quatro fabricantes, com mais de 61% de participação do total das vendas dos produtos nacionais entre os associados da Abeifa, que somaram pouco mais de 20,5 mil unidades em nove meses. A segunda é a BMW, com 28,6% deste total, seguida pela Land Rover, com quase 6%.

Além disso, a Caoa Chery também lidera o ranking da Abeifa quando considera todas as marcas, entre fabricantes e importadoras: a empresa sino-brasileira registrou market share de 31,3% no acumulado do ano até setembro, com mais de 12,6 mil veículos emplacados. Da mesma forma, a BMW é a vice-líder, com 21,3% ou 8,5 mil veículos. Em ambos os casos, os volumes representaram queda com relação ao desempenho verificado em mesmo período do ano passado, de 8,9% e de 4,8%, respectivamente.

Um fator que explica o bom desempenho das marcas como Caoa Chery e BMW se dá exatamente pelo fato de que em veículos nacionais não incide imposto de importação e nem o repasse total do aumento do dólar, que neste ano registra uma valorização sobre o real de 40%.

Adiciona-se a isso o fato de que as vendas de importados este ano está condicionado a estoques formados por volumes de quando o dólar estava abaixo de R$ 5 (antes da pandemia) e pelos volumes cujo valor da importação já considerava um dólar mais apreciado, o que, aliado à crise gerada pela pandemia, diminuiu ainda mais as vendas do segmento.

No geral, as associadas da Abeifa encerraram o acumulado do ano até setembro com a venda de 40,4 mil unidades, considerando a soma de importados e nacionais, o que representou queda de 15,7% sobre os 47,9 mil emplacados em iguais meses de 2019.

Segundo João Oliveira, a alta cambial “continua pressionando o segmento importado, o que deve continuar no próximo período [ano]. Em 2021, o câmbio deve ceder ligeiramente, o que ainda não será suficiente para conter a pressão sobre o setor de importados”, disse.

O executivo reforçou que por conta disso a Abeifa continua pleiteando junto ao governo duas medidas que podem aliviar os encargos sobre os veículos importados: a redução de 35% para 20% do imposto de importação e a adequação da alíquota do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para modelos híbridos e elétricos.

Os dados da entidade mostram que dos 6,7 mil veículos híbridos e elétricos vendidos no Brasil até setembro deste ano, 48% são das associadas à Abeifa. Em todo o ano passado, a participação da entidade neste segmento foi de 28% de um total de 7,7 mil unidades.

AINDA SEM PREVISÃO PARA 2021


Embora falte apenas um trimestre para o fim de 2020, a Abeifa preferiu não fazer ainda as projeções para 2021. O presidente da entidade indica que os números do setor de importados para o ano que vem só deverão ser apresentados em dezembro ou mesmo em janeiro, quando pretende fazer um novo encontro com a imprensa.

“Ainda estamos estudando todas as variáveis para indicar como o mercado poderá se comportar”, disse João Oliveira.

Por enquanto, a entidade concorda com o Boletim Focus, que aponta média do dólar de R$ 5 em 2021, com Selic ainda em baixa, mas com novo reajuste de alta a partir do segundo semestre do próximo ano, podendo chegar a 2,5%. Atualmente, o dólar está na casa dos R$ 5,25 e a Selic em seu menor nível histórico, de 2%.

Para 2020, a Abeifa já havia revisado as projeções em julho e as manteve: as associadas esperam encerrar o ano com a venda de 57,8 mil veículos, entre nacionais e importados, que se for confirmado, representará queda de 15% sobre o resultado de 2019, quando foram vendidos 67,6 mil (leia aqui).



Tags: Importadoras, Abeifa, veículos importados, carro importado, mercado, Caoa Chery, BMW, dólar, pandemia, João Oliveira.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência