Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Venda de caminhões empaca por falta de produtos; ônibus seguem em forte retração

Mercado | 02/10/2020 | 16h35

Venda de caminhões empaca por falta de produtos; ônibus seguem em forte retração

Emplacamentos de comerciais pesados sofrem segunda queda mensal seguida

PEDRO KUTNEY, AB

Em direção oposta ao segmento de veículos leves que em setembro registou o melhor mês de vendas de 2020, os emplacamentos de comerciais pesados pararam de se recuperar e sofreram a segunda queda mensal seguida. Após a baixa histórica em abril, na esteira dos efeitos da pandemia de coronavírus, os negócios de caminhões e ônibus vinham crescendo mês a mês até atingir o pico em julho, quando os licenciamentos somaram números até maiores do que os registrados nos dois primeiros meses do ano, antes portanto do impacto da Covid-19 sobre a economia. Depois disso, no entanto, o desempenho entrou em espiral de retração cada vez mais acentuada sobre o mês anterior.

Em setembro foram emplacados 7.411 caminhões no País, segundo relatório da Fenabrave, a associação que reúne os concessionários, divulgado na sexta-feira, 2. O resultado é 8,3% mais baixo do que o registrado em agosto e 20,3% inferior ao registrado no mesmo mês de 2019. No acumulado de nove meses foram vendidos 62.626 caminhões, o que representa queda de 16,2% na comparação com igual período do ano passado.

Alarico Assumpção Jr., presidente da Fenabrave, explica que o problema no segmento não é falta de demanda, que continua tão aquecida quanto verificou-se logo após o impacto inicial da pandemia, mas sim de escassez de produtos para pronta-entrega, o que vem freando o ritmo de recuperação das vendas de caminhões.

“O mercado de caminhões continua com uma forte demanda, em todos os seus subsegmentos, e não foi melhor pelos problemas gerados na produção, causados ainda pela falta de componentes e pela baixa capacidade dos seus principais fornecedores”, afirma Alarico Assumpção Júnior.



O dirigente destacou ainda que também não há problema na concessão de crédito, que está correspondendo ao aumento da demanda: “Notamos uma boa oferta, com a manutenção de taxas abaixo de 1% e aprovação de oito para cada dez solicitações. Com isso, vem crescendo o número de pedidos para 2021”, apontou.

Com parte das vendas empacadas pela falta de produtos e a consequente desaceleração da recuperação do segmento, a Fenabrave melhorou com moderação sua projeção de vendas de caminhões este ano, estimando o emplacamento de 86,6 mil unidades, o que representaria baixa de 15% sobre 2019 – em julho a entidade previa retração de 18,6%.

ÔNIBUS



Em sua primeira revisão de projeções divulgada em julho passado para o mercado automóveis e comerciais leves, a Fenabrave previa queda nas vendas de 37,1% e este mês melhorou a perspectiva projetando retração de 29,4%, para 1,88 milhão de unidades em 2020. A entidade estima recuo maior nas vendas de veículos leves de passageiros (1,55 milhão e -31,5%) e menor no caso de utilitários (329 mil e -17,1%). Para o mercado de caminhões, a projeção que era de queda de 18,6% este ano agora passou a um recuo menor, de quase 15%, o que resultará em 86,6 mil unidades vendidas. Segundo a Fenabrave, restrições de componentes e ritmo mais lento na produção estão freando o ritmo de recuperação do segmento, que vinha em passo mais acelerado até o meio do ano.

Para as vendas de ônibus a Fenabrave projeta tombo de 33,1%, para 18,2 mil unidades. Apesar de o segmento ter sido o mais afetado pela pandemia com restrições a viagens e receio de se tornar foco de contágio da Covid-19, a queda prevista agora é menor do que a estimada em julho, quando a entidade esperava o emplacamento de apenas 16,5 mil ônibus, o que representaria retração de 39,1%.

O mercado de motos também se aqueceu, mas sofre com a falta de componentes para a produção e de muitos meses de paralisação nas principais linhas de Manaus (AM). Levando esse fator em conta, a Fenabrave projeta queda nas vendas de 17,7% este ano, para 887,3 mil unidades emplacadas – na previsão anterior a entidade estimava tombo bem maior, de 35,8%.

VENDAS DE CARRETAS DEVEM CRESCER EM 2020



No segmento coadjuvante ao de caminhões, de implementos rodoviários rebocados (carretas), o ritmo é de franca recuperação, mas também com restrições de produtos a entregar. Em setembro foram emplacados 6,4 mil unidades, em pequena queda de 1,76% sobre agosto, mas em expressivo crescimento de 23% ante o mesmo mês de 2019. Em nove meses o setor soma a venda de 46,8 mil carretas, volume já quase igual ao período janeiro-setembro do ano passado, em ligeiro recuo de 1,88%.

“Mesmo com as implementadoras trabalhando na sua capacidade máxima de produção, a oferta não conseguiu suprir a demanda. Com isso, os fabricantes continuam operando com pedidos já para o início de 2021”, explica Assumpção Jr. Após o bom desempenho do segmento, a Fenabrave inverteu suas estimativas e agora prevê que as vendas de carretas vão crescer cerca de 3% em 2020, devendo fechar o ano com 65,2 mil emplacamentos – em julho a projeção da entidade era de queda de 7,6%.

ÔNIBUS TÊM DESEMPENHO PIOR



O segmento de ônibus foi até agora o mais afetado pela pandemia e segue fortemente impactado. As restrições impostas pela Covid-19 reduziram as frotas circulantes das empresas de transporte urbano e rodoviário de passageiros, cancelando ou postergando planos de renovação que estavam em curso. Até agora, a maior parte do volume vendido é de ônibus escolares em licitações do Programa Caminho da Escola, do governo federal.

Foram essas entregas que sustentaram altas seguidas nos emplacamentos de ônibus em junho e julho, mas desde então os negócios vêm desacelerando no setor. Em setembro foram registrados 1.535 emplacamentos, o que representa queda expressiva de 13,6% sobre agosto e ainda mais saliente, de quase 34%, na comparação com setembro de 2019. No acumulado do ano as vendas de ônibus somam 13 mil unidades, em baixa de 34% sobre o mesmo período do ano passado.

A Fenabrave até melhorou sua projeção de vendas de ônibus em 2020, mas de forma comedida. A entidade esperava por queda de 39,1% e agora revisou a baixa para 33,1%, o que corresponde a 18,2 mil emplacamentos no ano.



- Faça aqui o download dos dados da Fenabrave
- Faça aqui o download das projeções da Fenabrave
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência





Tags: Mercado, caminhões, ônibus, vendas, emplacamentos, Fenabrave, concessionários.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência