Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Incentivos à exportação na Argentina ajudam pouco, dizem fabricantes
Exportação de picapes Nissan Frontier da Argentina para o Brasil: sem incentivos

Indústria | 05/10/2020 | 20h50

Incentivos à exportação na Argentina ajudam pouco, dizem fabricantes

Isenção de imposto vigora somente para vendas de veículos fora do Mercosul

PEDRO KUTNEY, AB

As medidas de incentivo às exportações e entrada de dólares anunciadas na sexta-feira, 2, pelo governo argentino pouco vão ajudar a indústria automotiva no país. Isso porque a alíquota do imposto de “direitos de exportação” foi zerada somente para veículos embarcados para fora do Mercosul, o que exclui 68% dos carros exportados pela Argentina atualmente, sendo 66,2% somente para o Brasil, que comprou 62,5 mil dos 94,3 mil dos automóveis e comerciais leves embarcados entre janeiro e setembro deste ano – Uruguai e Paraguai ficaram com volumes residuais de menos de 1,5 mil unidades no período. “É muito positivo que tenham aumentado o nível de restituições [de impostos] ao setor, mas seria importante analisar a ampliação do benefício de redução de retenções, dado a importância para a economia da indústria automotiva, que representa 35% das exportações de bens manufaturados industriais e é o maior setor exportador do país”, declarou Daniel Herrero, presidente da Adefa, que reúne 12 montadoras instaladas na Argentina.

Com a exclusão dos veículos exportados para países do Mercosul, que seguirão pagando o imposto de exportação, poucas montadoras irão se beneficiar do incentivo. Nissan, Fiat, PSA e GM, por exemplo, têm quase todas as exportações de suas fábricas na Argentina concentradas no Brasil. Pela ordem, Toyota, Volkswagen, Ford e Renault são as que mais exportaram veículos para outros mercados fora do bloco econômico regional.

O governo argentino também anunciou a redução de 3,68% para 3% na alíquota do importo sobre direitos de exportação aplicados a autopeças. Contudo, segundo dirigentes da Afac (associação que reúne os fabricantes de componentes) disseram ao La Nacion, a redução de nada adiantará com a desvalorização cambial acentuada, que no futuro aumenta o valor retido. “O que parece uma redução hoje na verdade representa um aumento de impostos de exportação no futuro. É difícil gerar dólares exportando impostos”, criticou Juan Catarella, gerente geral da Afac.



Tags: Argentina, incentivos, produção, exportação, Adefa, Mercosul.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência