Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Sindicato acusa Renault de demitir 100, empresa nega descumprir acordo
Assembleia foi convocada pelo sindicato para retaliar demissões na Renault em São José dos Pinhais

Trabalho | 06/10/2020 | 19h20

Sindicato acusa Renault de demitir 100, empresa nega descumprir acordo

Segundo a montadora, demitidos agora tinham sido reintegrados e não devolveram verbas rescisórias

PEDRO KUTNEY, AB

O Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) acusa a Renault de demitir cerca de 100 trabalhadores da fábrica de São José dos Pinhais (PR) nesta semana, o que descumpriria o acordo fechado em 11 de agosto, quando foi encerrada uma greve de 21 dias e a empresa aceitou abrir um plano de demissões voluntárias (PDV), garantir estabilidade e reintegrar 747 funcionários que haviam sido desligados em julho. A entidade convocou assembleia na porta da planta e ameaça entrar na Justiça para cancelar as demissões. A Renault, no entanto, afirma que quem descumpriu o acordo foram os agora demitidos, que haviam sido reintegrados mas não devolveram as verbas rescisórias que já haviam recebido.

“Afirmamos que a Renault do Brasil não descumpriu o acordo firmado com o sindicato. Com o fim da greve, houve a reintegração dos colaboradores desligados anteriormente. Ficou acertado, então, que aqueles que não quisessem aderir ao PDV deveriam devolver à empresa as verbas rescisórias que já haviam sido pagas até 30 de setembro. Conforme previsto, aqueles que não devolveram o valor devido até a data acordada tiveram seus contratos cancelados”, informou em nota a empresa.

Na assembleia realizada na tarde da terça-feira, 6, o sindicato não levou em consideração os argumentos da Renault e apresentou a proposta, aprovada pelos metalúrgicos, de notificar a empresa e a Justiça para reivindicar que o acordo assinado seja cumprido.

“Numa atitude arbitrária, a Renault descumpriu o acordo que ela mesmo assinou e demitiu vários trabalhadores. Ela não levou em conta que no acordo estabelecido, nós fizemos várias concessões e aceitamos até algumas flexibilizações, tudo com a intenção de que a empresa mantivesse todos os empregos. A empresa aceitou e agora não cumpre. Na assembleia de hoje deixamos claro: ou a empresa cumpre o que acordou ou voltamos à estaca zero com os trabalhadores se mobilizando para defender seus empregos. Ela decide”, ameaçou o presidente do SMC, Sérgio Butka.

No acordo assinado entre as partes em 11 de agosto, ficou estipulado a manutenção dos empregos na fábrica com a criação de um layoff (suspenção do contrato de trabalho com garantia de 85% do salário) e um PDV; também foi aprovado um acordo salarial e de participação nos resultados (PLR) até 2023.



Tags: Renault, São José dos Pinhais, fábrica, trabalho, acordo, sindicato, metalúrgicos, demissão, corte, PDV, pandemia, coronavírus, Covid-19.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência