Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Ônibus têm o pior resultado de produção desde 1999

Mercado | 07/12/2020 | 18h36

Ônibus têm o pior resultado de produção desde 1999

Fábricas entregam 17,4 mil unidades em onze meses e queda vai a 34% com relação a 2019

SUELI REIS, AB

Diferente dos caminhões, o mercado de ônibus registra seu pior desempenho do acumulado janeiro-novembro desde 1999 em termos de produção: dados divulgados pela Anfavea na segunda-feira, 7, apontam que as fabricantes montaram 17,4 mil unidades nos onze meses completos de 2020, volume que ficou 34,3% abaixo do resultado anotado há um ano.



- Faça aqui o download dos dados da Anfavea
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



A projeção de vendas para o ano divulgada em outubro e mantida pela entidade que reúne as fabricantes indica o tamanho do tombo do setor: as montadoras esperam vender apenas 13,5 mil ônibus em 2020, o que se for confirmado, representará queda de 36%.

Faltando apenas um mês para terminar o ano, o segmento já acumula retração de 32,7%, com 12,8 mil chassis emplacados de janeiro a novembro.

Considerando o resultado isolado de novembro, foram 1,4 unidades emplacadas, queda de 3,8% com relação a outubro. A queda é ainda maior quando o total é comparado com novembro de 2019, resultando em retração de 16,6%. Tanto o desempenho de novembro quanto do acumulado de onze meses são os piores para ônibus desde 2017, quando o setor ainda enfrentava resquícios da última crise econômica, iniciada em meados de 2014.

“É o segmento que mais tem sofrido em função da pandemia. Ainda há neste volume uma participação relevante do Caminho da Escola, se não fosse o programa, o resultado seria pior”, comenta o vice-presidente da Anfavea, Marco Saltini.

Segundo o executivo, o segmento de ônibus é o mais difícil para prever qualquer volume em 2021, uma vez que é o mais impactado pelos efeitos da pandemia de coronavírus. Ele lembra que com o aumento do número de casos, as tentativas de governos e municípios em controlar a movimentação e restringir a circulação de pessoas devem pressionar ainda mais o segmento.

“ É a maior incerteza que nós temos, não sabemos como o mercado de ônibus vai suportar. O segmento deve continuar bastante fragilizado pelo menos no início de 2021”, pondera Saltini.





Tags: Ônibus, mercado de ônibus, Anfavea, venda de ônibus, Caminho da Escola, crise, pandemia, Marco Saltini.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência