Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

| 02/12/2009 | 00h00

Única: critérios da Nota Verde devem ser revisados

Entidade diz que MMA não dará recado adequado em Copenhague.

Automotive Business

Em comunicado distribuído em 1º de dezembro, quando foi divulgado o novo ranking verde dos carros pelo Ministério do Meio Ambiente e Ibama, a Unica - União da Indústria de Cana-de-Açúcar - admitiu que houve adequações em quatro áreas específicas da avaliação, mas ressaltou que elas não tocam em aspectos fundamentais que exigirão uma nova revisão dos critérios.

A primeira adequação da “Nota Verde” envolve a substituição de notas numéricas absolutas para os poluentes controlados – monóxido de carbono (CO), hidrocarbonetos menos metano (NMHC) e óxidos de nitrogênio (NOx). Segundo a entidade, as notas numéricas não levavam em conta a normal variabilidade dos ensaios de emissão e foram corretamente substituídas por uma avaliação de mérito das emissões, representada pela atribuição de estrelas, dependendo da classe de emissão observada para cada veículo. No total, a pontuação máxima possível é de uma a cinco estrelas.

A segunda adequação diz respeito à base de dados utilizados, que passa a ser o conjunto de valores de emissões citados na homologação de cada veículo. Com isso, tem-se uma base de dados conhecida, representativa para comparações entre diferentes combustíveis e fácil de ser auditada, segundo a Unica.

A terceira adequação anunciada pelo MMA considera a incorporação, no critério da Nota Verde, da emissão nula de gás carbônico (CO2) devido ao uso do etanol, com base no critério do Painel Internacional de Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU. O critério do IPCC, antes apenas mencionado, agora foi incorporado na avaliação de mérito do veículo capaz de operar com 100% de etanol. Essa qualificação é reconhecida na avaliação do veículo com uma das cinco estrelas possíveis.

A quarta adequação incorpora a avaliação da emissão de CO2 com gasolina, tanto para carros a gasolina como para os veículos flex abastecidos com gasolina, como critério de eficiência energética. Para os veículos mais eficientes, o critério vale uma estrela adicional na avaliação final.

Para a Unica, o resultado dos ajustes é uma avaliação melhor estruturada e baseada em dados mais completos, que permitem chegar a conclusões mais precisas, porém ainda carentes na avaliação das emissões de CO2, o poluente mais ligado ao futuro do planeta e principal causador do efeito estufa.

Pouca diferenciação

Entende a entidade que, com a revisão da Nota Verde, o peso das emissões de CO2 fica em 20% da avaliação final do veículo, o que significa pouca diferenciação entre o uso do etanol e o da gasolina. Trata-se de um percentual que fica aquém do observado em outros países que utilizam avaliações similares à Nota Verde, mas que chegam a atribuir às emissões de CO2 peso de até 50% sobre o resultado final.

A Unica ressalta, portanto, que a revisão do MMA não atribuiu às emissões de CO2 o mesmo peso dado às emissões de outros poluentes, deixando de reconhecer adequadamente a importante contribuição do uso do etanol para a mitigação do aquecimento global. Perde-se, assim, a oportunidade de dar ao consumidor uma indicação mais clara em favor do consumo consciente e responsável.

A nota distribuída pela entidade acentua que esta é uma carência importante, que deixa de reconhecer a própria realidade brasileira, repleta de avanços que boa parte do mundo ainda tenta conquistar – da frota flex brasileira que já atinge 37% dos carros em circulação, à tecnologia avançada desses veículos desenvolvida essencialmente no Brasil, à ampla rede de distribuição do etanol.

Copenhague

Às vésperas da reunião global em Copenhague (COP-15) para discutir como o mundo pretende enfrentar as mudanças climáticas, a Unica acentua que o MMA está desperdiçando uma oportunidade valiosa de dar um recado essencial ao mundo sobre a estratégia brasileira de produção e uso do etanol e seus resultados altamente positivos, estratégia esta que é vista como exemplo a ser seguido por outros países.

Cálculos realizados pela Unica revelam que desde 2003, quando foram lançados os automóveis flex, até outubro de 2009, o uso do etanol nesses veículos já evitou a emissão de 75,1 milhões de toneladas de CO2, o que representa um efeito equivalente ao obtido por aproximadamente 240 milhões de árvores nativas ao longo de 20 anos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência