Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

| 17/06/2010 | 00h00

Brasil precisa de R$ 44 bi/ano contra emissões

A conta para baixo carbono é do Banco Mundial.

Agência Brasil

O Brasil pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 37% e chegar a um cenário de baixo carbono em 2030, mas precisará de investimentos adicionais de R$ 44 bilhões por ano. A conta é do Banco Mundial, que divulgou na quinta-feira, 17, o Estudo de Baixo Carbono para o Brasil, que considera o potencial de redução de emissões mantendo as perspectivas de desenvolvimento econômico.

“Os esforços não são contraditórios. É possível acomodar a redução de emissões com crescimento econômico”, avaliou o coordenador do estudo, Christophe de Gouvello.

A redução de 37%, projetada pelo Banco Mundial, está dentro da margem do governo brasileiro, que prevê reduzir as emissões entre 36,1% e 38,9% até 2020. A proposta - apresentada durante a Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, em dezembro do ano passado, em Copenhague - até hoje não foi detalhada e não está claro como cada setor reduzirá as emissões.

O relatório apresentado hoje sugere ações de redução em quatro frentes: energia; desmatamento e agropecuária; transportes; e manejo de resíduos. Em 20 anos, o Banco Mundial calcula que seriam necessários US$ 725 bilhões para que o país chegue aos níveis esperados. Apesar do altos valores, o Banco Mundial acredita que o custo de não agir para frear as mudanças climáticas pode ser ainda maior.

O setor com maior potencial de redução de emissões é o de mudança de uso da terra, que inclui desmatamento e agricultura, responsável por 75% das emissões brasileiras de gases estufa. O Banco Mundial calcula que até 2030, com esforço adicional, o Brasil poderá reduzir a derrubada de florestas em 68% em relação à tendência atual. O custo seria de pelo menos US$157 bilhões em 20 anos. “É mais difícil estimar o custo porque vai depender das políticas públicas que serão implementadas e elas têm custos difíceis de estimar”, assinalou Gouvello.

Nos setores de energia e de transportes, as possibilidades de redução são menores por dois motivos: a matriz energética brasileira é considerada limpa e o país usa etanol na sua frota de veículos. No caso do setor elétrico, investimentos adicionais de US$ 344 bilhões poderiam evitar o lançamento do equivalente a 213 milhões de toneladas de gás carbônico na atmosfera.

“O grande desafio do setor energético é manter a matriz limpa. Os desafios no setor elétrico são permanentes. Ir além é difícil porque já se fez muito”, avaliou o coordenador do estudo.

De acordo com o relatório, os investimentos devem ser compartilhados entre o governo e a iniciativa privada. “O mercado tem papel importante, mas não vai resolver tudo. São necessárias políticas públicas”. A conta também deve incluir mecanismos internacionais de financiamento, que devem ser estabelecidos na negociação do clima da ONU para facilitar a transição para economias de baixo carbono, mais verdes.

Fonte: Luana Lourenço, Agência Brasil.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV