Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

| 12/08/2010 | 00h00

Com Actros, Mercedes quer 30% do mercado de pesados

Em três anos, modelo deve estar 60% nacionalizado.

Giovanna Riato, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB

A Mercedes-Benz aposta alto no mercado de veículos comerciais brasileiro. Em 2011 a marca começa a produzir o extra-pesado Actros em Juiz de Fora, Minas Gerais. O modelo topo de linha da marca chega com foco em aplicações severas e clientes que buscam ampliar o nível tecnológico.

A novidade dividirá espaço com a linha Axor e vai compor um catálogo de 21 modelos destinados ao segmento. Para iniciar a produção local, a montadora distribuiu um aporte de R$ 1,2 bilhão entre a planta mineira e a unidade de São Bernardo do Campo, São Paulo.

A primeira fábrica começa a operação com capacidade para montar entre 10 e 15 mil unidades por ano, com flexibilidade para aumentar o volume para até 50 mil/ ano. Já a planta paulista ganhou fôlego para produzir 75 mil veículos anualmente, entre caminhões e ônibus.

Os primeiros Actros começam a ser montados no País em CKD mas Jürgen Ziegler, presidente da companhia no Brasil, quer chegar a 44% de nacionalização já no final de 2011. “Em três anos teremos presença de mais de 60% de componentes nacionais”, explica. A empresa já trabalha para organizar um parque de fornecedores na região da fábrica mineira. A medida, segundo Ziegler, é essencial para reduzir custos.

Mercado

A expansão do mercado brasileiro de veículos comerciais nos últimos anos foi o principal estímulo para a decisão da montadora de trazer o modelo para a região. Entre 2005 e este ano as vendas no País devem saltar 103%, de pouco mais de 73 mil unidades há cinco anos para a projeção de 160 mil unidades em 2010. Os pesados ficarão com 36% de presença neste volume, cerca de 57 mil veículos.

O plano para o modelo inclui a comercialização de 1.500 unidades no 1º semestre de vendas e 3 mil em 2011. “Queremos ampliar nosso market share em pesados de 26% para 30%, conforme o veículo for nacionalizado e tivermos melhores condições de financiamento”, entrega o vice-presidente de vendas da marca para o Brasil, Joachim Maier.

O executivo enxerga um bom potencial para o pesado no País, já que, não há concorrentes com mesmo nível tecnológico. A profissionalização do serviço logístico, que acompanha o avanço da economia da região, também é outro ponto favorável. “Há uma faixa de clientes que busca evolução. Um exemplo é quando a carga tem valor muito maior que o do caminhão e precisa de um transporte mais especializado”, explica.

Estratégia

Maier destaca que desde maio, quando a Mercedes-Benz começou a importar o modelo, já foram comercializados 100 veículos. A companhia intensifica agora as ações diretas ao cliente para impulsionar o extra-pesado na região.

Após um lançamento grandioso para a imprensa, realizado na Usina de Itaipu, em Foz do Iguaçu, a montadora recebe cerca de mil clientes no local para conhecer as novidades do caminhão. A área de vendas da empresa informou ainda que uma série de eventos será realizada por todo o Brasil para apresentar o modelo.

Tecnologia

A chegada do Actros marca uma nova fase da Mercedes-Bens no Brasil. “Queremos ter a liderança não só das vendas, mas de tecnologia, conforto e segurança”, ambiciona Maier.

Para alcançar este objetivo, o novo caminhão chega com um kit tecnológico generoso que inclui câmbio automático, sensor de orientação de faixa de rolagem, detector de proximidade de veículos e ar condicionado noturno, que funciona por oito horas com o veículo desligado. Os preços partem de R$ 370 mil para a versão 2546 6x2, R$ 440 mil no modelo 2646 LS 6x4 e R$ 517 mil para o 2646 8x4.

No test drive feito pela reportagem o Actros mostrou dirigibilidade e conforto. O modelo preserva o motorista com recursos como o piloto automático, sensores de iluminação e de chuva - todos itens de série.

O câmbio automático reduz o desgaste do condutor e permite que a atenção seja voltada apenas a pista, sem demandar esforços com o veículo. Outro destaque é o formato dos espelhos retrovisores, que ficaram maiores e convexos e garantem uma boa visibilidade.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência