Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Carreira | 27/08/2010 | 00h00

Formação de engenheiro não atende necessidades

Conclusão é de debates promovidos na CNI.

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Além de formar menos da metade dos engenheiros de que precisa a cada ano, o Brasil tem ainda de enfrentar a disparidade entre a qualificação obtida nas universidades e as necessidades das empresas que procuram um profissional. O meio de resolver o problema é o trabalho conjunto de universidades, empresas e governos.

Essa foi a conclusão do seminário “Tecnologia e Inovação: desafios na formação de profissionais de engenharia para o século XXI”, promovido com empresários pela Confederação Nacional da Indústria na quarta-feira, 25 de agosto, em São Paulo.

“Talvez precisemos ter uma alteração de currículo nas engenharias. A gestão de projetos, por exemplo, que nas empresas é de suma importância, não tem a devida atenção nas universidades”, afirmou Jorge Ramos, diretor de desenvolvimento tecnológico da Embraer. “Um engenheiro que chega à nossa empresa vindo da universidade tem de ser treinado por nós em gestão de projetos”, revelou.

O Brasil não tem plano de qualificação dos engenheiros, definiu Paulo Luiz Coutinho, diretor de inovação da Ideom, a empresa de tecnologia da petroquímica Braskem. “A convergência tecnológica exige capacitação técnica em diversas ciências e áreas do conhecimento. O profissional precisa de formação de primeira, o que não é lhe oferecido nas universidades”, disse Coutinho.

Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato, que também participou dos debates, o aluno de graduação nas engenharias tem de vivenciar mais a realidade das empresas. “Por que não aproximar das universidades as pequenas e médias empresas, possibilitando que os alunos tenham noções reais do dia-a-dia da indústria, saibam seus problemas reais e colaborem na resolução deles? Serão profissionais mais completos ao se formarem”, sugeriu.

Os debatedores lembraram que o Brasil forma hoje cerca de 32 mil engenheiros por ano, que correspondem a 4,2% do total de formandos nas universidades anualmente. É muito pouco perto da demanda atual do mercado, de pouco mais de 60 mil profissionais anualmente, concordaram os empresários. Estimativa da CNI, que executa o programa Inova Engenharia, destinado a incentivar a formação de engenheiros, mostra que em 2012 o mercado terá um déficit de 150 mil engenheiros.

Inovação

Além da dificuldade de formação dos engenheiros, os debatedores destacaram a importância desses profissionais para a inovação dentro das empresas. “O setor elétrico e eletrônico é um dos mais dinâmicos e tem na inovação um elemento central para sua competitividade. E o engenheiro é mola-propulsora desse processo”, avaliou Barbato, da Abinee.

Segundo ele, a cada dia o tempo disponível para compensar o gasto no desenvolvimento dos produtos é menor. Ou seja, o produto tem de dar lucro rápido, sob pena de ficar tecnologicamente ultrapassado e, assim, não dar o retorno esperado. “Por isso, a antecipação da tendência tecnológica é a estratégia das companhias, embora nem sempre a boa inovação é aquela que terá boa aceitação do mercado. Esse é o desafio das empresas”, salientou o presidente da Abinee.

Para Jorge Ramos, da Embraer, é possível aprimorar o fomento à inovação. “Hoje há predominância de políticas horizontais, que são importantes, mas é preciso ter políticas verticais. O governo tem de escolher os setores mais competitivos e fomentar a inovação”, propôs.

Na opinião de Ramos, deve-se escolher os setores em que o país tem clara vocação, usar o poder de compra do Estado, tanto para adquirir o produto como a tecnologia, e promover o adensamento das cadeias produtivas.



Tags: CNI, engenheiro, formação, universidade, Embraer, Ideom, Abinee.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência