Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 09/09/2010 | 09h24

IBP quer estimular Gás Natural Veicular

Proposta será apresentada na Rio Oil&Gas.

Natalia Gómez, Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Natalia Gómez, Agência Estado

O coordenador do Comitê de Gás Natural Veicular do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás, Rosalino Fernandes, defendeu a necessidade de uma política de transporte e energia no país que privilegie combustíveis menos poluentes, como o GNV. Ele divulgará a proposta na Conferência Rio Oil&Gas, maior evento do setor que será realizado a partir de 13 de setembro no Rio.

Fernandes disse que embora o número de veículos produzidos no país venha batendo recordes sucessivos (entre janeiro e agosto deste ano foram fabricados 2,4 milhões) as conversões de automóveis ao GNV, menos poluente do que a gasolina e o diesel, mostram queda.

Até o fim de julho deste ano, a frota de veículos convertidos a GNV no Brasil somava 1.650.147 veículos. Para o coordenador, o número é reduzido em relação à frota total de cerca de 61 milhões de veículos, considerando ônibus, caminhões, automóveis, reboques e tratores, ou mesmo à frota de automóveis, de 35,35 milhões.

O Brasil chegou a ter entre 20 mil e 22 mil veículos convertidos por mês a GNV há cerca de três ou quatro anos. Atualmente, o maior número de conversões foi registrado em março passado - 3 mil veículos -, disse Fernandes. Segundo ele, o GNV está caro hoje no país porque o governo não quer vender todo o gás que produz para o GNV, destinando-o a outras aplicações como a geração de energia elétrica.

O coordenador afirmou que o país está deixando de explorar outras fontes alternativas de energia, como a eólica (dos ventos), solar e nuclear. “Tem que rever a política de transporte e de energia, porque a gente não está usando as riquezas que tem da melhor forma possível”, acrescentou.

Rosalino Fernandes reiterou que grande parte da frota mundial, de 950 milhões de veículos, é movida a gasolina ou a óleo diesel. Esses combustíveis são considerados altamente poluidores. Explicou que a molécula do diesel tem 12 átomos de carbono e a da gasolina oito átomos, enquanto o GNV tem apenas um átomo de carbono e o álcool dois.

Embora o etanol também contribua menos para o aquecimento global, Fernandes considerou que seria uma ilusão pensar que ele poderá substituir toda a gasolina e o diesel. “Porque, para isso, o Brasil teria que se tornar um imenso canavial”. Como a cana-de-açúcar não pode ser cultivada em todo o território, ele argumentou que entre as alternativas em estudo, o gás natural é a melhor.

“A solução é aumentar o uso do GNV em substituição à gasolina. Tudo indica que essa é a tendência. O IBP está trabalhando nisso”, afirmou. Segundo Fernandes, a conversão de veículos ao GNV não está acompanhando o crescimento da frota porque os preços praticados para venda de gás no Brasil não são competitivos em relação a outros combustíveis. ”Não são competitivos pela falta de uma política nacional que estabeleça ou regule os preços desse combustível de acordo com a realidade brasileira”.

O Brasil, frisou, carece de uma política que estabeleça os combustíveis que devem ser utilizados, os que podem ser estimulados e como seriam regulados esses preços. Afirmou que enquanto o país não dispuser dessa política de transporte e de energia, o setor do GNV vai sofrer “com uma política de preços fora da realidade brasileira”. Ele lembrou que o GNV no Brasil é mais caro do que em países desenvolvidos como a França, Alemanha e os Estados Unidos. “A consequência disso é um retrocesso no crescimento do setor”.



Tags: GNV, Rio Oil&Gas, IBP, etanol, gasolina, diesel.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência