Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Meio Ambiente | 22/09/2010 | 20h26

Indústria deve garantir disponibilidade do Arla 32

Ibama diz que governo é responsável apenas por regulamentar.

Giovanna Riato, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social

Giovanna Riato, AB

O exigência do uso do Arla 32 em veículos a diesel ainda pode render discussões antes de entrar em vigor, em 1º de janeiro de 2012. Marcio Beraldo Veloso, analista ambiental e coordenador substituto do Proconve, afirmou que a indústria deve ficar responsável por garantir a disponibilidade do fluido aos clientes.

“Esse não é o papel do governo. O setor é que deve garantir que a produção supra o mercado ou, se necessário, ir atrás da importação para complementar a oferta”, disse nesta quarta-feira, 22, durante o Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva (Simea), realizado pela Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), em São Paulo.

O Arla 32 é um fluido a base de ureia capaz de reduzir as emissões de óxido de nitrogênio dos veículos a diesel. No último dia 13 o Ibama assinou um termo de cooperação técnica para a regulamentação do produto no mercado. Para o analista, é apenas aí que o governo deve intervir mas, segundo ele, a indústria enxerga a situação com outros olhos e tenta transferir a responsabilidade.

“A área ambiental determina uma meta e as empresas são livres para escolherem qual tecnologia usar e como cumprir”, defende. Veloso diz que este mesmo modelo é seguido por países da Europa que já utilizam a tecnologia.



Tags: Arla 32, diesel, Ibama, Inmetro, distribuição, emissões, Simea, AEA, Proconve, Macio Beraldo Veloso.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência