Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Marketing e Lançamentos | 04/10/2010 | 10h26

Montadoras mostram na França carros que virão para o Brasil

Fabricantes apresentarão estratégias no Salão do Automóvel de São Paulo.

Andrei Netto, para a Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Andrei Netto, para a Agência Estado

A 110ª edição do Salão do Automóvel de Paris, o evento que abre as portas neste sábado e marca a retomada internacional da indústria automotiva após dois anos de crise financeira, prejuízos bilionários, fusões, aquisições e recessão no mercado, também serve de prévia de outra exposição do gênero: o 26.º Salão do Automóvel de São Paulo.

Na capital francesa, executivos das filiais brasileiras tentam esconder o jogo, ou revelam a conta-gotas os produtos que lançarão em outubro no Brasil.

A previsão de lançamentos começam pela Volkswagen. Segundo admite a montadora, pelo menos três modelos expostos em Paris deverão rodar nas ruas brasileiras depois de serem apresentados no Salão de São Paulo. São eles o Passat Sedan, um dos clássicos da indústria alemã, apresentado em première em Paris, o sedã Jetta e a picape Touareg. O problema: nenhum dos três modelos será fabricado no Brasil. Eles serão importados e logo suas perspectivas de preços - não reveladas - são bem superiores aos praticados na Europa. Nas melhores promoções, uma Touareg não sai por menos de € 33 mil na França - ou R$ 76 mil.

Ainda entre as líderes do mercado, a Renault, quinta colocada, confirmou ontem a intenção de trazer para o Brasil dois de seus novos modelos, e ambos com fabricação local. O primeiro é o sedã top de linha Fluence, que na Europa se destaca por dispor, entre seus opcionais, de uma linha de motores elétricos. Na França, essa versão será vendida a € 21,3 mil. No Brasil, a opção será diferente. Apostando na tecnologia flex, e não nos carros elétricos - como acontece na matriz -, a Renault vai fazer uma versão com motores a combustão. A versão dos propulsores não foi revelada. "Vocês verão no Salão de São Paulo", prometeu ontem Jean-Michel Jalinier, diretor-presidente da Renault Brasil.

Outro novo modelo da montadora francesa será o Duster, que no Brasil concorrerá no segmento da Ford Ecosport. Veículo produzido na Europa pela Dacia e vendido a partir de € 11,9 mil, o Duster seguirá a lógica bem sucedida do Sandero: transformar um carro low cost europeu em um objeto de desejo no Brasil, onde adotará a bandeira Renault. Para tanto, a montadora se esforça para apresentá-lo como um autêntico projeto brasileiro.

Outro grupo que apresenta na França modelos que rodarão no Brasil em um futuro breve é a PSA Peugeot Citroën. Em plena transformação de linhas na Europa, as duas montadoras levarão para o são brasileiro um toque refinado. Peugeot vem com o sedã de luxo 508 - que em sua versão original oferece a opção de motor híbrido, além de uma máquina superesportiva: o RCZ, que muitos chamarão de versão - ou cópia - francesa do alemão Audi TT.

Já Citroën começa a reformar sua linha importando uma família de veículos recém lançada na Europa: a DS. Em São Paulo, será possível conferir o cupê DS3 e seu irmão maior, o DS4, dois sucessos de venda na França, com filas de espera de até dois meses. "Não queremos fazer o apelo do racional, só do carro popular. Queremos vender objetos do desejo", explicou o presidente da Citroën Brasil, Ivan Segal.

Suspense

Dentre os líderes, Fiat, General Motors e Ford ou guardam segredos a sete chaves, ou estão mais tímidas. No lado italiano, permanece o suspense em torno da chegada ao Brasil do Bravo, o cupê médio que faz sucesso na Itália, mas enfrenta dificuldades em outros países da Europa. No mais, estão em exposição em Paris o 500, sucesso absoluto, e o Grand Punto, cujas vendas vão bem, mas a revenda nem sempre tem boa aceitação.

Do lado norte-americano, o segredo é total. Na Europa, o grupo usa a marca Opel, e assim disfarça ainda melhor suas perspectivas para o mercado brasileiro. Na Ford, o discurso é ainda mais claro: "Nenhum veículo daqui vai para o Brasil", garante Rogélio Golfarb diretor de assuntos corporativos da montadora.



Tags: Salão do Automóvel, Salão de Paris, lançamento, Salão de São Paulo, VW, Volks, Touareg, Renault, Fluence, Duster, PSA Peugeot Citroën, 508, RCZ.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência