Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 08/10/2010 | 13h43

Líderes debatem avanço do setor automotivo

Painel “Presidentes” encerrou 19º Congresso SAE Brasil.

Marcelo de Paula, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Marcelo de Paula, AB

O 19º Congresso SAE Brasil foi encerrado com o painel “Presidentes”, que reuniu líderes da cadeia automotiva para debater o tema “Equações para a indústria automotiva brasileira avançar no cenário mundial”, durante o qual foram discutidas questões referentes ao custo Brasil, falta de mão de obra e a contribuição dos biocombustíveis para o desenvolvimento tecnológico do País.

Participaram do painel, mediado por Paulo Braga, editor de Automotive Business, os presidentes da Anfavea, Cledorvino Belini, da Man Latin America, Antonio Roberto Cortes, da Mercedes-Benz do Brasil, Jurgen Ziegler, da SAE Internacional, Andrew Brown Jr., e o CEO da Chery Brasil, Luis Curi.

Embora o Brasil seja um país totalmente estruturado para o uso de etanol e motores flex, o que já é uma vantagem no que diz respeito à necessidade de reduzir emissões, existe a preocupação de que justamente essa vantagem possa significar atraso no domínio de outras tecnologias que estão surgindo como a dos motores elétricos e híbridos.

Para Andrew Brown, os brasileiros não devem se preocupar tanto com isso, pois o domínio da tecnologia de combustíveis alternativos é uma competência desenvolvida aqui e que dá solidez à indústria local. “Não se sintam constrangidos por terem desenvolvido tal competência. Ela dá suporte para que a indústria local possa desenvolver outras tecnologias. É importante saber aproveitar a vantagem dos combustíveis alternativos”, disse.

O custo Brasil também teve espaço na discussão. Cledorvino Belini lembrou que a questão passa por impostos altos, câmbio desfavorável e infraestrutura inadequada. “O aço daqui é 40% mais caro que o asiático e se a gente precisar enviar automóveis para Belém, tem de fazê-lo por meio de caminhão, o que encarece demais, pois o caminhão vai cheio e retorna vazio”.

Essa questão de custo e infraestrutura se junta à falta de mão de obra especializada. Enquanto o Brasil forma pouco mais de 30 mil engenheiros por ano, a Índia coloca no mercado cerca de 500 mil. Nesse caso, houve consenso de que a solução passa por políticas públicas, mas também por ações das empresas. “Não é só uma questão de governo., mas também de saber como a indústria pode ajudar a cuidar disso.”, comentou Jurgen Ziegler.

Antonio Cortes comentou que a Man, instalada em Resende, no Rio de Janeiro, não chegou a ter problemas de mão de obra porque o estado possui boas universidades, mas não tem muitas empresas para absorver mão de obra. “É interessante, mas a situação muda conforme a região. Há lugares onde a demanda por mão de obra é maior e acaba faltando. Felizmente não tivemos esse problema”.

Luis Curi, ao contrário, sente dificuldades para encontrar engenheiros para trabalharem na planta a ser instalada no município de Jacareí, em São Paulo. Sentimos dificuldades e não dá para trazer muita gente de fora porque a legislação brasileira limita bastante”, comentou.

Com relação à fábrica da Chery, Curi reforçou que a empresa manterá no Brasil um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento e que a ideia é iniciar as operações com 3% de participação no mercado. A montadora iniciará em 2013 produzindo 50 mil unidades e em 2015 pretende chegar a 170 mil. No primeiro ano os carros da Chery terão 40% de nacionalização devendo chegar a 65% em três anos.

Foto: Ruy Hizatugo.



Tags: SAE Brasil, Delphi, Chery, Anfavea, Mercedes-Benz, elétricos, híbridos, custo brasil, mão de obra.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV