Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Eventos | 26/10/2010 | 07h51

Com 42 marcas, Salão do Automóvel vai bater recorde

Quarta-feira evento mostra novidades, luxo e verde.

Cleide Silva, do Estadão, para a Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Além dos tradicionais carros de luxo, alguns com preços exorbitantes, como o Bugatti Veyron, que custa R$ 9 milhões, os visitantes poderão ver no Salão do Automóvel de São Paulo a partir de quarta-feira as apostas futuras das montadoras em veículos elétricos e híbridos. O evento segue a tendência das feiras internacionais e tem como apelo os carros verdes, menos poluentes e mais econômicos.

Em linha com o que ocorre no mercado automobilístico este ano, que terá vendas recordes de 3,4 milhões de veículos, o salão tem o maior número de participantes em suas 26 edições. São 42 marcas, com 450 modelos expostos, dos quais 40% são lançamentos. O Brasil caminha para ser o quarto maior mercado mundial de automóveis e o salão de São Paulo está entre os seis maiores, atrás dos eventos de Frankfurt, Detroit, Xangai, Paris e Tóquio.

"Será o salão mais expressivo realizado até hoje e é uma síntese da evolução do mercado e também da capacidade brasileira como produtora global", diz o presidente da Anfavea, Cledorvino Belini, que também comanda o Grupo Fiat na América Latina.

O público esperado também é recorde. "Vamos receber cerca de 625 mil visitantes até 7 de novembro", prevê Juan Pablo De Vera, presidente da Reed Exhibitions Alcantara Machado, organizadora do evento. O último salão, realizado em 2008, no auge da crise financeira internacional, reuniu 36 expositores, 400 modelos e atraiu cerca de 600 mil pessoas.

Sustentabilidade

A maioria dos estandes traz alguma alusão ao meio ambiente para mostrar o esforço que o setor vem fazendo no mundo todo para diminuir o papel de vilão do automóvel na emissão de poluentes.

Embora considerem que o motor flex é a alternativa mais viável atualmente no País, as empresas começam a trazer das matrizes os modelos híbridos (com motor elétrico e a gasolina/diesel) e os puramente elétricos.

Entre as versões híbridas que serão importadas estão o Fusion, que a Ford lança no salão por R$ 134 mil, o BMW Série 7, que deve custar cerca de R$ 650 mil e o Mercedes-Benz S400, já à venda por R$ 430 mil. Porsche e a chinesa JAC terão os modelos Cayenne e J5 para testar a aceitação do público.

Na linha dos elétricos estarão o Nissan Leaf (que começou a ser produzido em série no Japão na sexta-feira e poderá ser exportado para o Brasil), o 620, da chinesa Lifan e o Mitsubishi i-MiEV, que na semana passada foi mostrado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A Toyota apresenta o Prius Plug-in, o subcompacto elétrico FT-EV e o superesportivo Fine-S, alimentado por célula de hidrogênio.

Para garantir atenção na onda verde, expositores ligados à cadeia produtiva da cana-de-açúcar participam pela primeira vez do salão e vão mostrar o "labirinto canavial". Segundo a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), o estande terá telas intuitivas, um cinema 3D e exposição de como funciona o motor flex, que usa etanol ou gasolina.

Super máquinas

Na lista das super máquinas – tradicional atração do salão do automóvel em seus 50 anos comemorados nesta edição –, está o CCXR E100, da marca sueca Koenigsegg, que é importado pelo grupo Platinuss e à venda por R$ 6 milhões. Ferrari, Maserati e Lamborghini terão cinco modelos à mostra cada uma, a maioria cotada acima de R$ 1 milhão. O carro mais caro no salão será o Bugatti Veyron Grand Sport, cotado a R$ 9 milhões.

Nove marcas chinesas apresentam 67 modelos importados como os compactos Benni Mini, da Chana, novo M100, da Effa Changhe e QQ, da Chery.

A indústria nacional aproveita para expor a linha 2011 e modelos que começam a ser fabricados no País como o Fiat Bravo e o Renault Fluence. Importados também serão as estrelas das montadoras, entre os quais o Citroën DS4, o Chevrolet Camaro e o Volkswagen Passat.

Carros conceito, que apresentam tecnologias futuras, embora em menor número também estarão na feira deste ano. A Fiat mostra o Mio, criado com sugestões de internautas, e a Ford expõe o Start com o propósito de testar design e conteúdo entre os visitantes.

Belini lembra que, nos últimos sete anos, o Brasil ampliou o consumo em 2 milhões de veículos, passando de 1,4 milhão de unidades em 2003 para 3,4 milhões neste ano. "Ultrapassamos a Alemanha e estamos nos fixando como quarto maior mercado do mundo", comenta.

O País, segundo o executivo, é "disputadíssimo" entre as principais marcas mundiais e a perspectiva é de continuidade da expansão. As montadoras vão investir US$ 11,2 bilhões entre os anos de 2010 e 2012 em aumento de capacidade produtiva, tecnologia e na elaboração de novos produtos.

Fonte: Cleide Silva, do Estadão, para a Agência Estado.



Tags: Salão do Automóvel, Anfavea, Fiat, Prius, i-MiEV.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência