Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Marketing e Lançamentos | 27/10/2010 | 10h31

JAC entra no Brasil e quer 1% do mercado

Marca chinesa abrirá 46 concessionárias em março de 2011.

Marcelo de Paula e Giovanna Riato, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Marcelo de Paula e Giovanna Riato, AB

A montadora chinesa Jac começará a vender os modelos J3, sedã e hatchback, no Brasil a partir de março do ano que vem. Sergio Habib, presidente do Grupo SHC, que representa a marca no País, afirma que o modelo vai disputar espaço com o Volkswagen Gol, o Fiat Palio e o Renault Sandero e larga com a vantagem de oferecer o melhor preço: R$ 37.900 para a versão hatch completa com motor 1.4 de 108 cv e R$ 39.900 para o sedã, com a mesma motorização e nível de equipamentos.

O modelo sofreu 76 modificações, que vão da estrutura a detalhes de acabamento, para se adequar à legislação nacional e ao gosto do consumidor. “Tem tudo dentro dos carros, não há espaço para colocar mais coisas. Há opções mais baratas, mas sem os mesmos acessórios. Qualquer veículo produzido aqui, que ofereça o que o J3 oferece, sai por mais de R$ 40 mil”, analisa.

A ofensiva da montadora para garantir o preço baixo envolve também os custos com seguro, manuteção e troca de peças. Para conquistar clientes ainda hesitantes com a qualidade do carro chinês a companhia oferece garantia de três anos, um bom apelo para as vendas.

O J3 passou por teste de rodagem de 1 milhão de quilômetros e fez, em média, 11,5 km/l. Para iniciar as vendas, a marca fará uma ação nacional em março de 2011, quando abrirá 46 concessionárias no mesmo dia. O número de revendas chegará a 80 até o final do próximo ano. Para o segundo semestre está marcada a chegada de dois outros modelos, o sedã J5, por R$ 54.900 e a minivan J6, por R$ 57.900. Todos com motor a gasolina e também completos de fábrica. Os veículos flex da marca devem chegar ao País apenas em 2012, quando a companhia lançará o compacto J2.

A ambição da Jac Motors é conquistar 1% do mercado no primeiro ano, com cerca de 35 mil carros vendidos. A participação é maior do que a Nissan registrou no acumulado de 2010, de 0,98%, e fica um pouco abaixo da Mitsubishi, que alcançou 1,36% de market share, e da Kia, que deteve 1,66% do mercado, de acordo com dados da Fenabrave, Federação da Distribuição de Veículos.

Sobre a possibilidade de instalar uma fábrica da JAC no Brasil, Habib afirmou que precisa de mais tempo para pensar no assunto, mas indicou que a ideia não está descartada. "O primeiro passo é começar com importação e sentir a reação do mercado. Se necessário, pensaremos em fábrica mais para frente", explica Habib, já experiente em consolidar marcas do setor automotivo no País, já que foi o responsável por iniciar a operação da Citroën no Brasil.



Tags: JAC, J3, sedã, hatch, Grupo SHC, Sergio Habib, mercado, Salão do Automóvel.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência