Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Energia | 15/11/2010 | 20h52

Usinas elevam investimentos na geração de energia

Queima do bagaço reduz custos e eleva competitividade.

Eduardo Magossi, Agência Estado.

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Grupos como Cosan, ETH e Açúcar Guarani usam cada vez mais o bagaço de cana para produzir eletricidade, uma forma de reduzir custos e aumentar a competitividade das usinas.

Grandes empresas do setor sucroalcooleiro estão elevando investimentos em cogeração de energia com a queima do bagaço da cana-de-açúcar. "Reduzimos os custos e nos tornamos mais competitivos. Agregamos receita ao nosso negócio a partir da mesma cana que já produziu açúcar ou etanol", diz o presidente da Açúcar Guarani, Jacyr Costa Filho.

Para o diretor de pessoas e sustentabilidade da ETH, Luiz Pereira de Araújo Filho, a receita extra que a cogeração cria é de até 15% do faturamento da unidade, mas o impacto geral está acima de 25%. “Além de reduzir o custo, estamos diminuindo o passivo ambiental da unidade ao nos livrarmos do bagaço", disse.

Essa preocupação já fez aumentar a busca de linhas de financiamento para cogeração no BNDES. Diante da falta de capital suficiente para construir novas usinas, muitas empresas optaram por ampliar a capacidade de cogeração e de açúcar. A fabricante de equipamentos Dedini também registrou um aumento nas encomendas de equipamentos para cogeração.

O gerente de Departamento de Biocombustíveis do BNDES, Artur Yabe, informa que a maior demanda do setor tem sido feito por usinas já em operação que querem fazer o "retrofit", ou seja, buscam recursos para trocar as caldeiras existentes por outras, de maior potência, e mais eficientes na produção de energia. "A cogeração é a principal demanda existente hoje do setor no BNDES", disse.

Para Yabe, esta busca maior por cogeração é um reflexo do atual estado das usinas brasileiras. "Apenas 20% das usinas têm caldeiras de alta eficiência. Então, para ser competitivo neste mercado, as empresas têm de se modernizar", disse.

A crise financeira mundial interrompeu o crescimento da participação do setor sucroalcooleiro nos desembolsos do BNDES. Em 2004, a participação das usinas era de apenas 1,53% do total desembolsado. Essa fatia chegou a 6,85% em 2008. Com a crise, recuou para 4,61% e, em 2010, até o final de outubro, a participação mostrava recuperação para 5,2% do total. Até o dia 10 de novembro, os desembolsos do BNDES para o setor somavam R$ 6,4 bilhões. O valor já é maior que o total desembolsado em todo o ano de 2009, de R$ 6,39 bilhões, mas ainda está abaixo dos R$ 6,5 bilhões de 2008.

Cogeração

Nos próximos dois anos, a Guarani vai elevar sua produção de 300 mil megawatt/hora (MWh) para 700 mil MWh. A expectativa é de que a receita da Guarani com a venda de energia atinja R$ 105 milhões por ano em 2013. Das sete usinas do grupo, quatro possuem investimentos em cogeração. "No último leilão realizado em agosto, vendemos energia de duas usinas, a São José e a Mandú, que representam uma oferta de 430 mil MWh por ano", disse Costa. Segundo ele, o preço médio de venda da energia foi de R$ 150 por MWh.

A ETH Bioenergia também está investindo em cogeração tanto em projetos novos como na ampliação da produção já existente. "Três de nossas usinas estão ampliando sua capacidade com a colocação de uma nova caldeira de alta pressão", informa Araújo. Com a expansão, as unidades de Conquista do Pontal, Santa Luzia e Rio Claro vão praticamente dobrar sua produção. Em 2010, as usinas Eldorado e Alcídia comercializaram mais de 2,3 milhões de MWh e iniciam a entrega a partir de 2011.

Além disso, das quatro usinas da Brenco que foram absorvidas pela ETH, três subestações de energia já estão prontas. No geral, Araújo informa que 70% da energia produzida pelas usinas do grupo já foram comercializadas. Segundo ele, parte da energia é deixada para ser comercializada no mercado livre. "A receita esperada com a venda desta energia durante toda duração do contrato, de 15 anos, é de R$ 4 bilhões", explica. Por ano, a receita deverá ser de R$ 266 milhões.

O executivo explica também que algumas usinas do grupo, localizados em Mato Grosso do Sul e Goiás, já estão com seus equipamentos prontos para operar, mas não conseguem colocar o excedente no sistema porque a conexão elétrica ainda não chegou às regiões. Preço baixo

O presidente da Cosan Açúcar e Álcool, Pedro Mizutani, ressalta, contudo, que o otimismo em relação à cogeração de energia a partir de biomassa pode ter vida curta se os preços pagos em leilões do governo não forem reajustados. "No último leilão, o preço ficou em R$ 135 por MW, o que torna a produção inviável. Por isso não vendemos energia neste leilão", disse. Segundo ele, o preço de R$ 165 seria suficiente para cobrir os custos do setor.

Mizutani afirma que, embora a cogeração de energia seja importante na estratégia da Cosan, a empresa não deverá realizar novos investimentos nesta área se os preços continuarem baixos. "Vamos completar o ciclo de investimentos nas usinas que já venderam energia nos leilões. Desta forma, hoje temos 10 usinas com cogeração, em 2011 teremos 11 e em 2012 serão 12", disse.

A partir de 2012, a empresa espera obter uma receita de R$ 450 milhões por ano com a energia que será colocada no mercado. Além da venda em leilões, a Cosan também comercializa energia diretamente com algumas empresas, como CPFL, AES e Grupo Rede.



Tags: Usinas, açúcar, álcool, Cosan, ETH, Açúcar Guarani.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência