Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Caminhões e Ônibus | 06/12/2010 | 18h03

Caminhões: 44,5% de alta no acumulado

Evolução do segmento de ônibus foi de 26,5%.

Jairo Morelli, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Jairo Morelli, AB

As vendas de caminhões novos nacionais e importados no mercado brasileiro totalizaram 140.225 unidades no acumulado de janeiro a novembro, volume 44,5% superior ao registrado em igual período do ano passado (97.066 unidades), segundo balanço divulgado nesta segunda-feira, 6, pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). De acordo com o presidente da entidade, Cledorvino Belini, tal resultado se deve à manutenção dos incentivos governamentais e também ao crescimento sustentável da economia do País.

Considerando apenas novembro, quando as vendas somaram 14.567 caminhões, houve acréscimo de 30,1% frente ao mesmo mês do ano anterior (11.198 unidades). “Esta alta não reflete precisamente a realidade, já que as vendas de novembro de 2009 acabaram ficando para dezembro por conta das indefinições da manutenção do IPI reduzido na época”, explicou Belini. Na comparação entre novembro e outubro, o índice também foi positivo: elevação de 7,8%.

Ônibus

O mercado de ônibus também atingiu alta respeitável no acumulado dos 11 meses do ano: 26,5%, com 25.571 unidades emplacadas. Na comparação entre novembro deste ano com o mesmo mês do ano passado, as vendas apresentaram elevação parecida: 20,2%, com 2.509 unidades licenciadas. Com relação a outubro (2.081 unidades) a alta foi de 20,6%.

Foto: Axor, da Mercedes-Benz.



Tags: Anfavea, vendas, caminhões, chassis de ônibus, caminhão.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também