Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 14/12/2010 | 23h06

Nova fábrica da Fiat: conheça os detalhes

Lula e Marchionne anunciaram fábrica em Pernambuco na terça-feira.

Pedro Kutney, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB

A Fiat confirmou na terça-feira, 14, investimento de R$ 3 bilhões para a instalação de uma nova fábrica em Pernambuco – como parte do total de R$ 10 bilhões que a empresa investirá no Brasil de 2011 a 2014, dos quais R$ 7 bilhões serão destinados ao desenvolvimento de produtos, aumento de capacidade e modernização das instalações do grupo em Minas Gerais.

“O projeto que será realizado em Pernambuco representa um passo muito importante dentro da estratégia de reforço internacional da Fiat. O Brasil, onde até 2014 pretendemos atingir volume de vendas de mais de 1 milhão de veículos por ano, é uma região estratégica para a nossa expansão”, afirmou em comunicado o CEO mundial do Grupo Fiat, Sergio Marchionne. Ao contrário do que foi publicado anteriormente por Automotive Business, o executivo não veio ao Brasil para anunciar a nova fábrica da montadora.

Na sexta-feira passada, dia 10, o presidente Lula cumpriu o ato que faltava para a confirmação do empreendimento, ao assinar o Decreto 7289, que detalha e regulamenta todas as obrigações que a Fiat terá para usufruir dos benefícios fiscais federais previstos na Lei 9440, que incentiva a instalação de fabricantes de veículos e autopeças no Norte, Nordeste e Centro-Oeste do País.

O decreto já dava uma boa pista do tamanho do investimento que seria anunciado, pois segundo a regulamentação só poderão ter os incentivos fiscais previstos na lei as fábricas de carros ou caminhões com investimento superior a R$ 2,5 bilhões, ou de mais de R$ 500 milhões para unidades de produção de sistemas e componentes automotivos.

Segundo a Fiat confirmou em comunicado, a nova fábrica ficará dentro do Complexo Industrial e Portuário de Suape, localizado ao sul da região metropolitana de Recife, aproveitando dessa forma as vantagens logísticas de se localizar próxima do maior porto do Nordeste.

Os investimentos de R$ 3 bilhões no período de 2011 a 2014 abrangem a construção da fábrica, de centro de pesquisa, projeto e desenvolvimento de novos veículos e plataformas, além de treinamento de pessoal. A unidade deverá empregar diretamente cerca de 3,5 mil pessoas e terá capacidade inicial de 200 mil unidades/ano. A julgar pelo tamanho do aporte, este número deverá crescer para 250 mil ou mesmo 300 mil/ano nos anos seguintes.

Novo polo automotivo

A fábrica da Fiat ficará no centro de um polo industrial de 4,4 milhões de metros quadrados, reunindo também fabricantes de autopeças e fornecedores de insumos, o que deverá tornar a produção local ainda mais competitiva e coloca Pernambuco definitivamente no mapa da indústria automotiva brasileira.

“Estamos conscientes da importância de contribuir para o desenvolvimento regional de Pernambuco e do Nordeste, instalando esta fábrica que será o eixo de um novo polo industrial”, disse em nota oficial Cledorvino Belini, presidente da Fiat Brasil e América Latina. “Nesse sentido, a Fiat tem uma história de pioneirismo e de sucesso em Minas Gerais, onde há décadas contribui para o desenvolvimento industrial, econômico e social.”

Como a janela aberta para aproveitar os incentivos fiscais da Lei 9440 se fecha no próximo dia 29, até lá vários fornecedores deverão anunciar a instalação de plantas no Complexo Industrial e Portuário de Suape.

Alguns desses anúncios já começaram. Segundo informações da imprensa local, a Moura, que desde 1958 produz baterias automotivas em Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, confirmou que vai aproveitar os incentivos fiscais e investirá R$ 500 milhões para erguer duas novas unidades de produção no Estado, uma delas no Complexo de Suape, onde já tem um terreno. Com a expansão de quatro para seis plantas em Pernambuco, a Moura pretende duplicar sua capacidade de 5 milhões para 10 milhões de baterias por ano até 2020.

Existem outros interessados no empreendimento automotivo pernambucano. A siderúrgica Cone Sul assinou protocolo de intenções com o governo pernambucano para instalar, em Suape, uma unidade de produção de aço orçada em R$ 1,5 bilhão. E para os próximos dias também é esperado o anúncio de uma nova fábrica de pneus.

Incentivos generosos

Os benefícios da Lei 9440 iriam terminar no fim deste ano, mas em 2009 o governo ampliou sua vigência para incentivar o crescimento da Ford em Camaçari, na Bahia, e em novembro passado abriu a possibilidade de enquadramento de novos projetos para atrair a nova fábrica da Fiat.

E o governo foi bastante generoso para isso, ao estender todos os incentivos fiscais previstos na mesma lei. Além de desconto no IPI, as indústrias automotivas que apresentarem até o próximo dia 29 projetos para se instalar na região também terão, entre outros benefícios, redução de até 50% do imposto de importação de máquinas, ferramental, moldes, matérias-primas, partes, peças, conjuntos e subconjuntos (acabados e semi-acabados) e pneus; abatimento de até vinte 25% do IPI incidente na aquisição de matérias-primas, produtos intermediários e materiais de embalagem; isenção de imposto de renda e de IOF nas operações de câmbio realizadas para pagamento dos bens importados.

Um dos argumentos usados pelo Ministério do Desenvolvimento para convencer o presidente Lula a ampliar a validade dos benefícios foi a crescente perda de competitividade da indústria automotiva brasileira, que deveria ser compensada com incentivos e investimento em pesquisa e inovação.

Por isso, tanto a medida provisória que estendeu o prazo da Lei 9440, quanto o decreto presidencial que a regulamentou, condiciona os incentivos à obrigação das empresas de investir, no mínimo, 10% do abatimento de IPI a que tiverem direito em pesquisa e inovação tecnológica – o que será fiscalizado todos os anos pelos ministérios do Desenvolvimento e da Ciência e Tecnologia. O investimento pode ser no desenvolvimento de novos produtos como também em processos e sistemas produtivos. A empresa também poderá direcionar recursos a universidades e centros de pesquisa locais para cumprir a exigência.

Foto: Sergio Marchionne, CEO do Grupo Fiat.



Tags: Fiat, Siderúrgica Cone Sul, Ford Camaçari, incentivos fiscais, investimento, fábrica, Pernambuco, Marchionne.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência