Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 10/01/2011 | 08h28

IBP quer gás em ônibus, caminhões e até locomotivas

Importação de óleo diesel pode ser reduzida em 50%.

Alana Gandra, Agência Brasil

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Alana Gandra, Agência Brasil

O Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis pretende estimular, este ano, o uso do gás natural veicular nas frotas brasileiras de veículos pesados, como ônibus e caminhões, em substituição ao óleo diesel. Já há no país, inclusive, experiências para adaptar motores de locomotivas para GNV.

O coordenador do Comitê de GNV da entidade, Rosalino Fernandes, estimou em entrevista à Agência Brasil, no dia 7 de janeiro, que o país poderia economizar até 50% nas importações de óleo diesel caso o GNV seja adotado pelos veículos pesados. Números da Agência Nacional do Petróleo (ANP) mostram que, em 2010, o Brasil importou cerca de 48 milhões de barris de petróleo equivalentes em óleo diesel, ao custo de US$ 4,332 bilhões.

Para Fernandes, o que o Brasil importa de diesel “é um escândalo”. Como o país não tem, atualmente, capacidade de produzir todo o diesel que necessita, Fernandes sugeriu seguir o exemplo da Argentina. Lá, todo o programa de estímulo ao uso de GNV é baseado na premissa de que “é muito melhor exportar diesel e gasolina do que exportar gás. Eles estimulam o uso do gás internamente em veículos e para aquecimento domiciliar”.

Fernandes apontou a necessidade de o Brasil investir na infraestrutura de gasodutos, de modo a expandir a rede que recebe o gás em alto mar e o leva para os pontos de consumo. “Os gasodutos precisam ser expandidos para o interior”, disse ele.

Outro entrave para a disseminação do GNV é o reduzido número de postos de abastecimento, apenas 1.715 em todo o país. Esse é, segundo Fernandes, um dos fatores limitadores para o crescimento do GNV na área de transporte pesado. “Precisa aumentar o número de postos disponíveis”.

Ele apontou ainda outras alternativas para o GNV, em ferrovias. A mineradora Vale já tomou a dianteira nessa direção e está fazendo testes com locomotivas flex para uso de gás natural e óleo diesel. Fernandes informou que os testes devem ser concluídos ainda este ano.



Tags: IBP, GNV, combustíveis.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência