Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 18/02/2011 | 07h56

Beetle, March e Fiat 500 estimulam indústria do México

Mercado deve avançar 7% a 8% em 2011.

Sérgio Oliveira de Melo, do México, para AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Sérgio Oliveira de Melo, do México, para AB

Quando o diretor executivo da Ford para América Latina, Eduardo Serrano, fala, é bom prestar atenção. Em setembro do ano passado, ele fez o prognóstico que para 2010 as vendas da indústria automobilística mexicana deviam chegar as 850 mil unidades. E o fez quando muitos pensavam em números muito mais modestos como 780, máximo 800 mil. Depois de saber que entre automóveis e caminhões o México comprou 846 mil veículos no ano passado, vemos que é sábio escutar Serrano.

O mercado interno mexicano continua vivendo uma lenta recuperação. O crescimento de 2010 foi de 8,7%, quando falamos só de veículos leves, para alcançar um número total de 820,406 unidades vendidas, uma cifra 20% menor que a de 2008.

Muitos acham que esse ritmo de crescimento pode ser mais baixo em 2011, calculando um aumento de vendas da ordem de 5 ou 6 por cento. O motivo seria o precário equilíbrio económico mundial, avalizado pelo economista Olivier Blanchart, do FMI.

A situação de violência que vive o México, pela luta contra o tráfico de drogas travada pelo Presidente Felice Calderón desde o primeiro dia do seu mandato, ajuda nessas incertezas, freando o ímpeto da população para comprar qualquer coisa, principalmente carros, cujo roubo quase duplicou de 2006 a 2010.

A boa notícia é que a produção aumentou 50% comparada a 2009. É um número maior até do que 2008, de fato, 7,5% maior. A exportação também cresceu de maneira forte, aumentando suas cifras 52%. As vendas para Estados Unidos cresceram 45%, mas foi a América do Sul, com o Brasil liderando, que teve o aumento mais espetacular na recepção de veículos produzidos no México, nada menos que 98.4% a mais. A América Latina foi a segundo principal destino dos produtos mexicanos, representando 16,7% do total. Estados Unidos ainda é líder disparado, consumindo 66,1% do que é feito no México.

Vários projetos devem impulsar se não o mercado interno, pelo menos a produção e exportação de automóveis em 2011. Eles são o novo Volkswagen Beetle, que será feito em Puebla; o Nissan March, feito em Aguascalientes e o Fiat 500, fabricado em Toluca. Todos tem nos Estados Unidos seu destino principal. Apesar de tudo, não há muito otimismo. Até Eduardo Serrano acha que o mercado vai crescer pouco, algo na casa dos 7 ou 8%. E como já vimos desde o ano passado, quando Serrano fala, é bom escutar.



Tags: Mercado automotivo, Ford, Nissan, Volkswagen, Beetle, Fiat 500, March.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência