Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Automóveis e Comerciais Leves | 13/03/2011 | 12h29

Terremoto afeta indústria automotiva no Japão

Dezenas de fábricas interromperam a produção.

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Redação AB, com informações do Estadão, Automotive News, BBC Brasil e agências internacionais

O setor automotivo começa a contabilizar os efeitos devastadores do terremoto de 8,9 graus que atingiu o Japão, seguido de tsunamis com ondas de até dez metros no litoral, provocando um grande número de mortes. Dezenas de fábricas de veículos e componentes foram fechadas em função de danos ou para avaliação do impacto nas operações logísticas de suprimento e distribuição.

Na Toyota pelo menos doze plantas para veículos e componentes estarão paralisadas até esta segunda-feira e praticamente todos os modelos exportados para os Estados Unidos, a partir do Japão, como Prius, Corolla, Lexus e Scion, podem ser afetados. As subsidiárias Kanto Auto Works e Central Motors manterão suas plantas fechadas. Em conjunto as unidades da Toyota paralisadas respondem por 45% da produção global da empresa.

A Volvo AB, que emprega dez mil pessoas no Japão, interrompeu as atividades na sua principal unidade. A Daimler informou danos leves na unidade Mitsubishi Fuso Truck and Bus Corp em Kawasaki, onde a produção pode prosseguir. A companhia possui 12.836 empregados no Japão e nenhum foi ferido.

A Mitsubishi deve manter paralisadas as três plantas até a terça-feira. Movimentos equivalentes acontecem na Honda e Nissan.

Pelo menos 2.300 veículos da Nissan e Infiniti à espera de embarque para os Estados Unidos e expostos em lojas foram danificados na sexta-feira, quando o tsunami varreu o porto de Hitachi.

A Fuji Heavy Industries, fabricante dos carros Subaru, fechou cinco fábricas após o terremoto e não há prazo para retomada. Mazda e Suzuki, embora estejam longe das áreas atingidas, ainda dependem de avaliações no impacto de suprimentos para voltarem à normalidade.

A Autoliv Inc., fabricante de cintos de segurança e airbags, paralisou uma das três unidades em função de danos na infraestrutura. A marca atende a Nissan, Toyota, Mitsubishi, Honda e Mazda.

Pior crise

A BBC Brasil escreve que o primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, afirmou neste domingo, 13, que o país enfrenta a crise mais difícil desde a Segunda Guerra Mundial. "O terremoto e tsunami, e também a situação que diz respeito à usina nuclear de Fukushima, são talvez as adversidades mais difíceis que enfrentamos desde a Segunda Guerra Mundial, em 50 anos.”

O premiê também afirmou que o país terá que implementar um programa de cortes de energia. Kan citou a situação na Usina Nuclear de Fukushima, que sofreu uma explosão em um de seus reatores no sábado, 12, e corria risco de uma segunda explosão.

"Há uma grande possibilidade de continuar a faltar eletricidade e existe possibilidade de cortes do fornecimento de eletricidade em larga escala, afetando a vidas das pessoas e as atividades industriais", afirmou Kan.

Cerca de 310 mil pessoas foram levadas para abrigos de emergência, muitos deles sem energia elétrica, informou a emissora pública de TV japonesa NHK. A polícia do Japão afirmou que o número de mortos apenas na província de Miyagi pode passar dos dez mil. Em Miyagi está o Porto de Minamisanriku, levado pelo tsunami na costa de Honshu, 400 quilômetros a nordeste de Tóquio, na tarde de sexta-feira.

Foto: A TV pública NHK mostrou imagens de barcos e carros sendo arrastados pelo tsunami na região mais a leste de Tóquio. Reprodução da Agência Brasil.



Tags: Terremotos, Toyota, Nissan, Mitsubishi, Honda, Subaru, Daimler, Volvo, Infiniti.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência