Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Powertrain | 16/03/2011 | 06h08

Cummins: melhor ano no Brasil

Perspectivas apontam para novo recorde de produção em 2011.

Automotive Business

Pedro Kutney, AB

Ao contabilizar os números de 2010, a Cummins comemorou os melhores resultados de sua história de quase 40 anos no Brasil. A fabricante independente de motores diesel produziu, em sua fábrica de Guarulhos, SP, 96 mil unidades, o que representou expansão de 57% sobre 2009 e de 11,6% ante 2008 (ano do último recorde).

“Foi uma boa surpresa, pois no começo do ano tínhamos estimado entregar 82 mil motores”, diz Luis Afonso Pasquotto, vice-presidente da corporação para a América Latina.

Mas a marca recordista deve durar pouco, só até o fim deste ano, quando a empresa projeta vender 105 mil motores, segundo Pasquotto, que já estima para 2011 um mercado total de 217 mil caminhões e ônibus no Brasil, os maiores clientes da Cummins, responsáveis por garantir 80% das receitas.

O faturamento andou junto com o aumento da produção: cresceu 36,1% nas vendas somadas na América Latina, para US$ 1,3 bilhão, dos quais o Brasil sozinho contribuiu com 80%, ou cerca de US$ 1 bilhão. Com isso, o faturamento obtido nos países latino-americanos continua a aumentar sua participação no resultado global da Cummins: passou a responder por 10% da receita total de US$ 13,2 bilhões em 2010 – avanço de 23% ante o resultado de 2009.

Perspectivas

“Estamos muito animados com as perspectivas e esperamos crescimento em todos os nossos negócios”, avalia Pasquotto, revelando que até 2014 o objetivo mundial da Cummins é faturar US$ 20 bilhões por ano, dos quais a América Latina deverá contribuir com US$ 2,2 bilhões, com expansão média de 14% a 15% ao ano.

“O Brasil continuará a ser o maior mercado da região. Por isso estamos investindo muito em nossa unidade no País, tanto em ampliação da fábrica (foram aportados US$ 140 milhões nos últimos seis anos para atingir a atual capacidade de 113 mil motores/ano) e também para elevar o potencial de desenvolvimento local”, afirma o executivo, destacando que foram investidos R$ 4,5 milhões no novo laboratório de motores e filtros da empresa em Guarulhos.

Na avaliação de Pasquotto, quatro grandes tendências garantem a expansão dos negócios da Cummins nos próximos anos: a legislação de emissões, que exigirá produtos mais sofisticados; a maior demanda por energia e grupos geradores; os grandes investimentos em infraestrutura, com consequente aumento nas vendas de caminhões e maquinário; e o movimento de globalização com a ida de clientes para novos mercados e a chegada de novos clientes ao Brasil – exemplo disso é a Paccar, fabricante de caminhões que deve se instalar no País e no exterior já usa motores Cummins em alguns de seus modelos.

“O importante é que nos preparamos para atender todos esses fatores, com divisões de negócios prontas a oferecer pacotes completos”, diz.

Divisões de negócios

O principal impulso nas vendas vem do expressivo crescimento do mercado de caminhões no Brasil, onde a Cummins em 2010 aumentou as vendas de motores em 59%, acima da média de 52% de expansão do segmento. Assim a empresa liderou o fornecimento de propulsores para veículos acima de 3,5 toneladas, com participação de 37%, ou 1 ponto porcentual a mais em relação a 2009. “Aumentamos nossa fatia na MAN, passando a fornecer motores para modelos Volkswagen leves e semipesados”, explica Luis Chain Faraj, gerente executivo de vendas e marketing.

A maior expansão porcentual foi registrada no fornecimento de motores para veículos pesados (88%) – neste segmento a Cummins fornece inclusive para o caminhão 9800 da International feito em Caxias do Sul (RS), marca que pertence ao mesmo controlador de seu maior concorrente no Brasil, a MWM International. O segundo maior crescimento veio das vendas para caminhões leves (69%) e em terceiro para os semipesados (57%). Os maiores clientes no segmento são a Ford, que equipa 100% de seus caminhões com motores Cummins, e a MAN.

Pasquotto também destacou que os outros segmentos compradores de motores (marítimo, máquinas agrícolas e de construção e mineração, além de geração de energia) também apresentaram crescimento expressivo em 2010 e, assim como o mercado de caminhões, apresentam perspectivas alentadoras para os próximos anos, ajudando a sustentar a projeção de expansão de 10% na produção da Cummins em 2011.

A divisão de componentes igualmente se aproveita da expansão do mercado brasileiro. A produção de turbocompressores cresceu 25% em 2010 e as vendas avançaram 15%, com fornecimento, além da própria Cummins, para a Volvo e FPT (fabricante de motores do Grupo Fiat que equipam os veículos da Iveco). O negócio de filtros teve faturamento recorde, de US$ 75 milhões, com fornecimento direto para Ford, Bosch, Iveco, Volvo, Scania e CNH.

Nova divisão

Para 2012 os negócios da Cummins no Brasil serão incrementados com mais uma divisão de negócios, a Emission Solutions, que irá fornecer todo o sistema de controle de emissões SCR para os novos motores Euro 5. Inicialmente o único cliente da divisão é a própria fábrica de motores da Cummins, mas está nos planos da unidade o fornecimento para outros clientes.

Segundo Maurício Rossi, diretor da nova divisão na região, a operação começa efetivamente a partir do meio deste ano, com a distribuição dos primeiros componentes, para assegurar o abastecido na virada para 2012, quando entram em vigor os limites de emissão do Proconve P7 (equivalente à Euro 5). A unidade irá fornecer o sistema catalítico SCR completo, com fabricação local e cerca de 80% de índice de nacionalização, e também a solução de ureia Arla 32 usada no pós-tratamento dos gases, inicialmente importada dos Estados Unidos. “Mas logo começaremos a comprar o Arla 32 de um fornecedor local. Já estamos desenvolvendo isso”, afirma Rossi.

O diretor estima que, a partir do segundo ano de operação, a divisão deverá representar de 10% a 15% das vendas da Cummins na América Latina, algo como US$ 100 milhões a US$ 150 milhões de faturamento por ano.

Assista à entrevista exclusiva que Luis Afonso Pasquotto, vice-presidente da Cummins para a América Latina, concedeu à Automotive Business web TV:



Tags: Cummins, motores, Paccar, MAN, MWM International, Volvo, Ford, Iveco, Volvo, Scania, CNH.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência