Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 17/03/2011 | 15h14

Embraer negocia produção do Legacy com a China

Decisão deverá ser anunciada em abril.

Silvana Mautone, Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Silvana Mautone, Agência Estado

O vice-presidente de aviação comercial da Embraer, Paulo César de Souza e Silva, admitiu hoje que a empresa está negociando com o governo chinês a possibilidade de passar a fabricar no país jatos executivos da família Legacy. "Estamos conversando, essa é uma das alternativas que estamos estudando", afirmou o executivo. Ele confirmou também que é esperada uma decisão durante a visita que a presidente brasileira, Dilma Rousseff, fará à China, em abril. Ele acredita que o mercado chinês tem potencial de mercado para cerca de 450 jatos executivos de porte médio como o Legacy nos próximos dez anos.

A fábrica que a Embraer tem em associação com a estatal Aviation Industries of China (Avic) estará 100% ociosa a partir de abril, porque até o final deste mês serão entregues as duas encomendas existentes de jatos comerciais do modelo ERJ-145, de 50 lugares, e, por isso, pode ser fechada.

A Embraer gostaria de passar a fabricar na sua fábrica nesse país um avião maior que o atual, mas a China está desenvolvendo seus próprios aviões e agora considera a empresa sua concorrente. Por isso, uma alternativa para não fechar a fábrica seria passar a produzir no local jatos executivos. A venda de jatos executivos responde por 20% da receita da Embraer.



Tags: Embraer, Legacy, Paulo César de Souza e Silva, Avic, aviação, China, produção, aeronave, avião.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência