Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 20/03/2011 | 19h23

Setor siderúrgico avalia aproximação com os EUA

Visita de Obama trouxe à pauta negócios em energia e siderurgia.

Agência Brasil

Redação AB, com informações da Agência Brasil

Articuladores do encontro entre os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e do Brasil, Dilma Roussef, trataram de colocar em pauta as oportunidades de negócios na área de siderurgia e energia entre os dois países. O Brasil tem interesse em abrir caminho para vender seu etanol, enquanto os norte-americanos estão empenhados em ter acesso ao petróleo brasileiro e abrir parceria no setor de energia.

Marco Polo de Mello Lopes, presidente executivo do Instituto Aço Brasil , disse que a visita de Obama tem importância estratégica para aproximação entre os dois países. Para ele, as questões substantivas devem ser tratadas de uma maneira mais pragmática.

Segundo o presidente do IABr, o mercado americano ficou fechado durante alguns anos aos produtos siderúrgicos brasileiros porque a indústria de aço dos Estados Unidos “andava muito ruim das pernas”. Foram criadas várias barreiras para proteger a indústria naquele país. O executivo entende que agora, com a indústria americana altamente competitiva, é o momento de uma relação mais aberta.

Siderúrgicos

A jornalista Alana Gandra, da Agência Brasil, registra que a produção brasileira de aço bruto cresceu 11,4% em fevereiro deste ano, em relação ao mesmo mês de 2010, somando 2,7 milhões de toneladas. Na área de laminados o crescimento atingiu 9,9%, com produção de 2,2 milhões de toneladas. Os resultados acumulados em 2011 indicam uma produção de 5,5 milhões de toneladas de aço bruto e 4,3 milhões de toneladas de laminados. O crescimento registrado foi 7,6% e 5,0% respectivamente, sobre o mesmo período de 2010.

O balanço divulgado pelo IABr é positivo também no que se refere às vendas internas. Houve expansão de 14,2% em fevereiro, em comparação a igual mês do ano passado. As vendas somaram 1,8 milhão de toneladas no mês, alcançando 3,5 milhões e aumento de 9,3% nos dois primeiros meses de 2011.

As exportações de produtos siderúrgicos atingiram 870 mil toneladas em fevereiro, no valor de US$ 655 milhões. No acumulado dos dois primeiros meses do ano, os embarques ao exterior somaram 2 milhões de toneladas e US$ 1,4 bilhão, com aumento de 46,8% em volume e de 89,3% em valor.

Os dados do IABr mostram que a importação de produtos siderúrgicos sofreu retração de 19,3% em 2011. O volume atingiu em janeiro e fevereiro 601 mil toneladas importadas. Já o consumo aparente nacional de produtos siderúrgicos somou 2 milhões de toneladas (8,8%) em fevereiro, atingindo no bimestre 4,1 milhões de toneladas (5%).

Lopes afirmou que a grande preocupação do setor é com a questão do câmbio. “A apreciação do real de forma muito forte fez com que nós tivéssemos um recorde de importação em 2010, o que elevou o consumo”. Ele explicou que grande parte disso - mais de 20% - foi devido às importações, por conta do câmbio, “além da guerra fiscal, que está sendo atacada agora”.

A expectativa do IABr é que o setor siderúrgico experimente em 2011 um crescimento interno mais sustentado, por causa dos programas especiais, entre os quais indicou a Copa de 2014 e a área de petróleo e gás. “Então, a gente sai desse patamar baixo [de consumo] de 100 quilos por habitante. Mas, de outro lado, fica uma interrogação muito grande em relação à questão cambial. A gente não pode correr o risco, como se teve no ano passado, de ter essa vulnerabilidade enorme para efeito de importação”, disse o presidente do IABr.



Tags: Barack Obama, siderurgia, energia, etanol, Instituto Aço Brasil.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência