Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 23/03/2011 | 21h06

Brasileira Effa vai projetar carro com Lifan

Parceiras aplicam US$ 70 milhões em centro tecnológico no País.

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Paulo Ricardo Braga, AB

Ronaldo Mazará Junior, diretor de engenharia, confirmou a Automotive Business nesta terça-feira, 22, que o Grupo Effa vai desenvolver em parceria com a chinesa Lifan um carro pequeno, equivalente ao nosso Ford Ka, para comercialização em todo o mundo. A iniciativa será coordenada pelo executivo, que está empenhado em criar dois centros de pesquisa e desenvolvimento – um junto com a Lifan e outro para a Effa utilizar junto às outras marcas que representa.

O engenheiro eletrônico e diretor da Effa encara com naturalidade o desafio de comandar o programa para criação de um novo veículo, mas admite que “sera uma experiência extraordinária”, assinalando que a Lifan respeita a competência brasileira na área de engenharia. “Vamos criar conceitos e definir as características do produto, traçando ao mesmo tempo o caminho para concretizar o projeto”.

A Effa procura local adequado para erguer o Lifan South America Research and Development Center, que poderá ficar na região entre São Paulo e Campinas. As duas empresas serão sócias no projeto, que deve receber aporte de US$ 70 milhões nos próximos anos.

Ele explica, ainda, que o Brasil foi escolhido como porta de entrada da marca nas Américas graças ao amadurecimento local da indústria automobilística, que apresenta um perfil e legislação assemelhados aos europeus e norte-americano, com mercados igualmente exigentes. “Isso, somado ao fato de estarmos passando por uma das melhores fases históricas de crescimento, faz do Brasil um local perfeito para desenvolver novos produtos e tecnologias”, explica Mazará, que dedicou dezoito anos da carreira à Delphi e General Motors, especializando-se na área de protótipos.

Exportar tecnologia

Coordenador da comissão de veículos elétricos da SAE Brasil, ele será mediador de painel no simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística, no Centro de Convenções Milenium, em São Paulo, para tratar dos riscos e oportunidades no desenvolvimento de veículos elétricos e híbridos no País. Ele entende que não há infraestrutura disponível para uma rápida evolução nesse campo aqui no Brasil, já que faltam iniciativas expressivas e profissionais qualificados para comandar programas na área. “Um dos papéis da SAE é avaliar e propor soluções”, define.

O novo centro de pesquisas e desenvolvimento criará oportunidade para exportação de tecnologia e estabelecerá ponte entre equipes internacionais para projeto de sistemas veiculares, incluindo fontes de energia alternativas como a elétrica. Outro objetivo é assegurar melhorias contínuas no projeto e manufatura dos veículos da Lifan. “Há um grande interesse da companhia em associar a marca a tecnologias atuais”, afirma Mazará.

O centro ainda será responsável pela homologação e certificação dos veículos comercializados no continente sul-americano, além de projetar novos produtos e aprimorar os já existentes nas áreas de powertrain, chassis, carroceria e eletroeletrônica.

O controle acionário da Lifan está em mãos de investidores privados, o que garante agilidade na tomada de decisão. A empresa produz menos de 200 mil automóveis por ano, embora seja o maior fabricante de motocicletas na China. O objetivo é chegar rapidamente a 350 mil unidades por ano. Effa.

Assista à entrevista com Ronaldo Mazará Junior, que fala dos planos da Effa e da Lifan para o Brasil:






Foto: Ronaldo Mazará Junior, diretor de engenharia da Effa Motors.



Tags: Effa, Haffei, Chang, SMC, JBC, SG, Zotye, centro de tecnologia.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV