Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Insumos | 23/03/2011 | 15h26

Preço do aço fornecido às montadoras pode subir 10%

Indústria Automobilística pretende brigar para diminuir aumento.

Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Agência Estado

As siderúrgicas apresentaram uma proposta de reajuste de 10% nos preços de aços planos oferecidos às montadoras de veículos instaladas no Brasil. A indústria automobilística pretende negociar e acredita que poderá reduzir o aumento para cerca de 7%. No início do mês, o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Cledorvino Belini, disse que os reajustes representariam uma quebra de contrato com as montadoras e que a entidade já havia fechado contratos no fim de 2010 para o fornecimento de aço ao longo deste ano. "Se houver aumento, teremos briga. Vamos discutir", afirmou Belini, na época.

Segundo uma fonte, as usinas teriam justificado que as cheias na Austrália prejudicaram a produção de ferro e aumentaram os custos de extração. A demanda mundial e o crescimento do consumo na China também têm pressionado os preços do aço. Sem o reajuste, os valores do aço brasileiro já estão, em média, 15% mais caros que os cobrados nos Estados Unidos e na Europa e 20% a 25% mais elevados que na Ásia. "É indução de inflação pura", afirmou a fonte.

O governo está ciente do problema, que tem sido alvo de reclamações de diversos setores, como os de construção civil, linha branca e eletroeletrônicos. "O governo conhece a situação, mas não sei se está sensível a ela", disse a fonte. Em outros momentos, o governo chegou a reduzir e até zerou as alíquotas de importação que incidem sobre diversos tipos de aço para pressionar as siderúrgicas a reduzirem os preços. "O problema é que o processo de importar aço é muito difícil e implica em uma logística complexa", afirmou a fonte.

O aço representa cerca de 60% do custo de um automóvel. Embora a decisão de repassar o reajuste para o consumidor caiba a cada empresa, ele invariavelmente chegará ao preço final, diz a fonte. "Se o mercado está bem, o custo é repassado. Se está mais competitivo, demora para repassar, mas em algum momento o repasse é feito". O reajuste deve ter impacto principalmente sobre as pequenas e médias indústrias de fornecedores do setor, que compram aço das distribuidoras e já pagam um preço maior que as grandes empresas.

Na semana passada, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) reajustou os preços de laminados a quente e a frio para os distribuidores de aço e retirou parcialmente os descontos que vinham sendo praticados desde agosto. A partir de 1.º de abril, os preços de laminados a quente e frio ficarão 9,75% maiores. Em fevereiro, a Usiminas e a Gerdau confirmaram que começaram a retirar os descontos. Segundo a Usiminas, o impacto nos preços ficaria entre 5% e 10%.



Tags: aço, preço, montadora, aumento, Anfavea, Cledorvino Belini, CSN.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência