Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia e Engenharia | 28/03/2011 | 16h20

Engenharia simplificada para países emergentes

Nível tecnológico dos veículos é limitado pelo preço.

Giovanna Riato, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB

O setor automotivo passa por uma ebulição global de soluções e tecnologias mas a realidade dos mercados emergentes é um pouco diferente. As nações em desenvolvimento são as principais consumidoras de veículos mas, ao contrário dos países maduros, que buscam tecnologia e valor agregado, estas regiões querem tecnologia com preço baixo.

"Há uma tendência forte de evolução do conteúdo dos carros. As principais são segurança, sustentabilidade e conectividade. O importante é que tudo tem que caber no bolso do cliente", explica Flávio Campos, diretor de engenharia da Delphi. O executivo enxerga uma mudança no perfil do consumidor que, no Brasil, está concentrado em automóveis do segmento B. Outro ponto é adaptar as novidades globais as condições locais como o trânsito pesado e até problemas de enchentes.

Paulo Alves, diretor de body & security da Continental, enxerga o mercado local como um desafio para as empresas que fornecem tecnologia para o setor automotivo. "Em uma categoria alta você pode lotar o carro de tecnologia. Aqui não. Temos que ser muito criativos", avalia. As soluções são orientadas pelo custo com a preocupação de não deixar os emergentes de fora do avanço tecnológico dos veículos. A melhor saída é adaptar as soluções disponíveis para o que o mercado exige.

A Continental parte do princípio de que todo motorista gosta de alguns 'mimos'. "A preguiça move o mundo então nós gostamos de tudo que facilita a nossa vida", brinca Alves. Uma das novidades da empresa para atender à lei do mínimo esforço é o Passive Access, um sistema que abre o carro quando o motorista se aproxima, dispensando o acionamento de qualquer dispositivo. Basta que o condutor esteja carregando a chave. A novidade é complementada pelo Passive Start, botão no interior do carro que aciona o motor sem a necessidade de conectar a chave no veículo.

A empresa também tem em mente o gosto dos brasileiros por computação móvel. "Nosso País é um dos maiores mercados de celulares do mundo", destaca o executivo da Continental. Para aproveitar esta característica do mercado nacional, a companhia investe no desenvolvimento de displays mais interativos e em dispositivos de internet sem fio para veículos. "Isso não é um sonho. É extremamente viável e exige pouco investimento", explica.

Com o aumento do nível tecnológico dos carros vendidos no Brasil, a engenharia automotiva nacional mostra um papel importante no desenvolvimento e adaptação de soluções para um mercado emergente. A dúvida que resta é se a indústria nacional será competitiva para, além de vender, produzir também estes dispositivos ou se a elevação do conteúdo vai resultar também em um aumento das importações.

Foto: Flávio Campos, diretor de engenharia da Delphi.



Tags: engenharia, desenvolvimento, tecnologia, carro, automóvel, veículo, indústria automobilística, Delphi, Continental.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV