Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Energia | 01/04/2011 | 07h59

Custo da energia elétrica aperta indústrias

Setor de alumínio perde competitividade.

Redação AB, com informações da CNI

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Redação AB, com informações da CNI

As indústrias de alumínio reduziram em 10% a capacidade produtiva no país nos últimos seis anos, em razão dos custos elevados da energia elétrica no Brasil. Eduardo Spalding, coordenador da Comissão de Energia da Abal -- Associação Brasileira da Indústria de Alumínio, alertou que fábricas de outros setores que utilizam energia de forma intensiva também estão fechando as portas.

O executivo participou do seminário Energia Elétrica: Fator de Competitividade da Indústria, realizado nesta quinta-feira, 31 de março, pela CNI -- Confederação Nacional da Indústria em parceria com a Associação dos Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace).

Spalding esclareceu que os custos da energia praticamente dobraram nos últimos seis anos e hoje o Brasil tem a terceira tarifa mais cara do mundo. “Isso inibe investimentos e, se nada for feito, nos próximos dez anos haverá um aumento de mais de 20% no custo da energia industrial”, informou.

Ele destacou que o custo de produção de uma tonelada de alumínio alcançava US$ 1.069 em 2003, e a conta de energia representava 33% desse total. Em 2008, o custo de produção saltou para US$ 1.991 a tonelada, em que 44% representavam os gastos com energia. “O preço da energia condena de forma inexorável a indústria”, disse Spalding, que também integra o Conselho Temático de Infraestrutura da CNI.

Segundo o presidente da Abrace, Paulo Pedrosa, além de contribuir para o fechamento de empresas no país, os elevados custos da energia elétrica comprometem o emprego e a renda dos brasileiros. Também pressionam a inflação e prejudicam as exportações. “Todas essas variáveis têm uma correlação muito grande com o preço de energia”, completou Pedrosa.

Para ele, o primeiro passo para a redução da tarifa é retirar a carga tributária e os encargos, que representam mais de 50% dos valores cobrados dos consumidores de energia. O presidente da Abrace acrescentou que os custos dos programas sociais não devem ser repassados às contas de luz, mas absorvidos pelo orçamento da União. “Isso seria benéfico para o próprio governo, que poderia aumentar a arrecadação a partir de um crescimento do Produto Interno Bruto.”

Considerada pela CNI como um dos pilares da competitividade, a desoneração tributária e de encargos das tarifas de energia é a principal proposta do estudo Efeitos do Preço da Energia no Desenvolvimento Econômico – Cenários até 2020, feito pela Fundação Getúlio Vargas em parceria com a Abrace. De acordo com o coordenador do Projeto Energia Competitiva da FGV, Fernando Garcia, com a desoneração das tarifas, o Brasil pode crescer mais e acrescentar R$ 695 bilhões ao PIB até 2020. “Isso representa economia do tamanho da África do Sul e três vezes a do Chile”, informou Garcia.



Tags: CNI, Abal, alumínio, energia elétrica.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência