Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Política e Legislação | 06/04/2011 | 08h55

Empresários acompanham visita de Dilma à China

CNI e Amcham organizaram delegações.

Stênio Ribeiro, Agência Brasil

Stênio Ribeiro, Agência Brasil

A visita oficial que a presidente Dilma Rousseff fará à China, de 12 a 15 de abril, ganhará o reforço de duas missões empresariais. Uma, com mais de 200 pessoas, organizada pela Confederação Nacional da Indústria, e outra formada pela Câmara de Comércio Americana (Amcham). Ambas têm o propósito de abrir mais oportunidades de negócios no país asiático.

Os empresários querem expandir ainda mais o fluxo de comércio, que tem crescido 47,5% em média ao ano e aumentou de US$ 9 bilhões, em 2004, para US$ 56 bilhões, no ano passado, de acordo com o Conselho Empresarial Brasil-China. Em decorrência desse crescimento, a China é hoje o principal parceiro comercial do Brasil e um dos maiores responsáveis pela entrada de investimento estrangeiro direto no país.

Números do Conselho Empresarial Brasil-China mostram que em 2010 a estatal chinesa Wuhan Iron Steel (Wisco) se associou ao Grupo EBX, do empresário Eike Batista, para a instalação de uma siderúrgica no norte fluminense, no valor de US$ 3,5 bilhões; comprou os direitos de exploração da jazida de ferro Morro de Santana (MG) por US$ 5 bilhões; e adquiriu 21,5% das ações da MMX, também de Eike Batista, por US$ 400 milhões, para explorar 50% do ferro de Serra Azul (MG).

Outro exemplo de investimento alto foi da chinesa Sinopec, que adquiriu 40% das ações da Repsol Brasil por US$ 7,1 bilhões, mas há outras fusões e aquisições parciais de menor valor, em diferentes estados. De acordo com o Conselho Empresarial Brasil-China, os investimentos chineses no Brasil foram superiores a US$ 18 bilhões no ano passado, a maioria deles no Rio de Janeiro (US$ 9,020 bilhões) e em Minas Gerais (US$ 7,326 bilhões).

Outras empresas chinesas, porém, abriram os olhos mais cedo para o grande potencial de complementaridade comercial, como a Wuawei, que veio para o Brasil em 1999 e tornou-se líder no mercado de banda larga, em parceria com operadoras de telefonia fixa e móvel, conforme o Conselho Empresarial Brasil-China.

O vice-presidente da empresa chinesa, Li Xiaotao, disse que as relações bilaterais vivem momento histórico. Segundo ele, o Brasil e a China estão em sintonia ao focarem áreas como novas indústrias e energias alternativas, uma vez que enfrentam desafios semelhantes para crescer.



Tags: CNI, Amcham, Wisco, EBX, Conselho Empresarial Brasil-China.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência