Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Internacional | 27/06/2012 | 20h2

Importado da Índia, Duster custa R$ 29 mil na Inglaterra. Aqui começa em R$ 51,8 mil.

Para o mercado inglês, Dacia chama o carro de "chocantemente acessível"

PEDRO KUTNEY, AB

A Dacia, subsidiária de carros de baixo custo da Renault, faz esta semana o pré-lançamento na Inglaterra do utilitário esportivo Duster, que chama de “chocantemente acessível”. Não é para menos: a versão mais barata sairá por 8.995 libras, cerca de R$ 29.144 ao câmbio de R$ 3,24. A título de comparação, no Brasil o preço de entrada do Duster feito em São José dos Pinhais (PR) é de R$ 51,8 mil, ou 77,7% mais caro do que o modelo vendido aos ingleses, que é importado da fábrica da Renault em Chennai, na Índia.

A carga tributária sobre automóveis no Brasil é o dobro do que a aplicada no Reino Unido. Contudo, tamanha diferença no preço final não se explica somente pelos tributos. Ao se retirar todos os impostos de um Duster vendido no Brasil, em torno de 30% (sem considerar a atual redução de IPI), o valor do modelo de entrada desceria para R$ 36 mil, ainda assim impressionantes 48% mais caro do que um Duster sem a incidência de 16,7% das tarifas aplicadas na Inglaterra, que ficaria em R$ 24,3 mil.

Mais um detalhe: o Duster vendido aos ingleses, desde o modelo mais básico com motor 1.6 a gasolina, vem com ABS (sistema antitravamento de freios), assistência eletrônica de frenagem de emergência e airbags frontais. Já o Duster brasileiro de entrada não oferece esses itens de segurança ativa nem como opcionais – se quiser ter airbag duplo o cliente tem de comprar a versão 1.6 Expression por R$ 54,1 mil, e para ter ABS e airbags é preciso comprar o 1.6 Dynamique, com preço de R$ 58,1 mil, segundo pesquisa do Datafolha Veículos.

Na Inglaterra a Dacia também vai oferecer o SUV com tração nas quatro rodas mais barato do mercado, que com motor 1.6 a gasolina começa em 10.995 libras (R$ 35.623), enquanto a versão topo de linha, que usa motor diesel 1.5, será vendida por 14.995 libras (R$ 48.584). No Brasil, o Duster 4x4 só é vendido com motor a gasolina 2.0, por R$ 66,1 mil.

O Dacia Duster fabricado na Romênia é vendido desde 2010 na Europa com preço começando em € 11,9 mil (R$ 30,8 mil). O bom custo-benefício atraiu milhares de consumidores e em alguns países, como Portugal, houve filas de espera de seis meses para comprar um SUV barato, que em abril ultrapassou a marca de 300 mil unidades vendidas no mundo todo – 22,3 mil só no Brasil desde o lançamento em outubro de 2011 até maio passado. A Renault esperou o início da produção na Índia para vender o carro no Reino Unido porque na fábrica indiana o Duster já é montado com a direção do lado direito, na “mão inglesa”.

Após atravessar o oceano e pagar todas as tarifas, o Duster indiano chega à Inglaterra muito mais barato do que seu similar brasileiro. É indiscutível que os custos de produção na Índia e os impostos na Inglaterra são bem menores do que os do Brasil. Mas a diferença de preço de quase 50% (retirando-se da conta os impostos daqui e de lá) só se explica pela falta de concorrência do mercado brasileiro, onde são vendidos os piores carros mais caros do mundo, que oferecem pouco em relação ao que custam.

Tags: Renault, Dacia, Duster, Sandero, Inglaterra.


Comentários

  • Daniel

    Finalmente alguém falando sobre a margem de lucro das montadoras no Brasil, vc também tem que falar das 4 grandes também, ja compraram os preços dos carros fabricados aquie vendidos na América Latina?

  • Rodrigo

    Muito boa a matéria. Essa é uma triste realidade no Brasil. Fica a sugestão de fazer esse comparativo com outros modelos também, pois alguns essa diferença é ainda maior.

  • neto

    Obrigado pela reportagem e estava inclinado a comprar esse veículo, vendo o comparativo eu mudei de ideia e não trocarei o meu carro. Chega de pagar caro por produtos de qualidade baixa.

  • Roberto

    Ótima matéria, porém não sei se é realmente falta de concorrência (temos todos os grandes players aqui) ou algum tipo de acordo - mesmo que não combinado - das montadores devido à passividade do consumidor brasileiro.

  • Daniel Candido

    Seu trabalho é excelente. Mais uma matéria que mostra como somos extorquidos legalmente. Só no Brasil existe esta proteção aos bolsos dos empresários e extirpam a população, com carroças a preços abusivos e absurdos. O pior...as pessoas compram. Ex: VW Polo Sedan, ótimo veículo, qualidade construtiva projeto relativamente novo. Versão TOP em torno de R$ 55.000,00 Honda City na versão de entrada...R$ 55.000,00, é de matar.

  • Haroldo J Silva

    Precisamos enviar dinheiro 'as matrizes que estão em crise no mundo todo, dessa forma justificam os pomposos lucros que os brasileiros gostam de proporcionar 'as montadoras. Como se não bastasse o governo ainda dá benefícios e mais benefícios para que elas tenham esses lucrios. Essa crise que atingiu o setor deveria ser um ótimo momento para que as montadoras revissem seus preços, mas ao contrário o governo deu mais uma ajudinha.

  • Alfonso Abrami

    Muito boa matéria. Espero que continue assim. Independente e falando verdades. Mesmo com todo o custo Brasil, não se justificam esses preços. Agora, o mercado Brasil, este infelizmente aceita tudo, ainda. Mas, quem sabe agora comece a mudar. Os analistas, jornalistas e seus meios de comunicação, jogarão um papel fundamental neste processo. Acorda Brasil!!!!!!

  • joao carlos barreto piekarski

    É realmente uma vergonha o nosso Brasil. Todos querem "ganhar", principalmente nosso governo de gente má. Não é só este carro que tem o preço absurdamente maior que em outros países. Pesquisem o pre;co de um Toyota Corolla, ou de um BMW ou de um Volvo ou de um Chrysler nos EUA, ou até no Paraguai ou Chile (que nem produtores de automóveis são). O preço ao público não é somente o dobro, é 3 ou 4 vezes maior!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Acho que os leitores merecem mais reportagens com outras marcas também. abraços

  • Luiz Mirara

    Ola muito interessante noticia, parabens! Ha um ano como responsavel pela filial Indiana de minha empresa, posso dizer que nao ha milagres, a India tem suas dificuldades tambem. Nao podemos esquecer que em comparacao ao atual custo de vida no Brasil temos uma certa paridade de valores. Tudo eh mais caro inclusive os Salarios, dai a nececidade de maiores arrecadacoes, etc. Quem dara o primeiro passo? O governo, as multinacionais, a iniciativa privada a populacao? Na China foi o governo! Os "new camers" Coreanos tambem estao vendo que nao ha uma simples solucao ou milagres para ser barato no Brasil, nao eh? A India nao esta tao aberta a Corea ou a China como o Brasil, nao vejo a invasao que vejo no Brasil aqui, seria este um caminho? Como concorrer ou criar competitividade em desigualdade de condicoes? Luiz Mirara

  • Danilo

    Chega a ser chocantemente irritante essa diferença de preço entre os carros. Independente da carga tributária de nosso país, acho que o principal culpado por essa situação é o brasileiro, que está acostumado a aceitar tudo o que lhe é imposto. Acredito que só quando essa mentalidade mudar, é que as coisas no Brasil passarão a ser diferentes.

  • Marcos Pilon

    Bom dia. Um fato que quero comentar é que todos os meios de comunicação convertem os valores no câmbio atual de cada país, o que não concordo. A discrepância dos valores em minha opinião é ainda maior. Não devemos converter os valores, pois no Brasil ganhamos em Reais na Inglaterra se ganha em Libras o que justifica minha opinião. E se comparado ao salário mínimo de cada país é maior ainda. No Brasil: salário mínimo 622,00 Reias pagamos 51.800,00 Reais; Na Inglaterra: salário mínimo 1027 Libras pagamos 8.995,00. Se levarmos em consideração somente os valores 8.995 para 51.800 a diferença é enorme 476%. Se levarmos em consideração os valores e o salário mínimo de cada país é maior ainda. Concorda? Ou estou errado? Grato Marcos

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência