NOTÍCIAS
17/10/2013 | 21h17

Indústria

Caoa inaugura linha do Hyundai ix35 em Anápolis

Após investimento de R$ 600 milhões, fábrica aumenta capacidade para 86 mil/ano


PEDRO KUTNEY, AB | De Anápolis (GO)

Soldagem robotizada, pintura automatizada, montagem final e testes de rodagem: o Hyundai ix35 já é totalmente montado em na fábrica do Grupo Caoa em Anápolis (GO)
Em evento repleto de membros dos governos federal, estadual e municipal, incluindo o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, o Grupo Caoa inaugurou oficialmente na quinta-feira, 17, a linha de produção do utilitário esportivo ix35, fabricado agora em Anápolis (GO) sob licença da Hyundai. Carlos Alberto de Oliveira Andrade, fundador e controlador da empresa e importador exclusivo da marca coreana no Brasil, ressaltou que o investimento de R$ 600 milhões para montar mais um SUV na planta goiana foi viabilizado pelo Inovar-Auto, a política industrial lançada em 2011 pelo governo para fomentar o desenvolvimento da indústria automotiva no País. “O ix35 é um produto do Inovar-Auto”, destacou.

A fábrica de Anápolis começou a operar em 2007 para montar o minicaminhão HR da Hyundai, com 100% do investimento nacional de R$ 1,2 bilhão feito pelo Grupo Caoa. Dentro do mesmo aporte, em 2010 a planta começou a montar o SUV Tucson – a versão antiga do ix35, que segue em produção. Em 2011 o caminhão médio HD78 começou a ser feito lá também – este teve a fabricação interrompida em 2012 e deve ser retomado em 2014 com a versão 4x4 e motorização Euro 5 fornecido no Brasil pela FPT.

Com o novo investimento na linha do ix35, a unidade teve sua área industrial expandida em 30 mil metros quadrados, incluindo um novo galpão onde são executadas as inspeções finais de qualidade. Somando tudo, agora existem 174 mil m2 em prédios construídos dentro do terreno de 1,5 milhão de m2. O ix35 divide a mesma linha de montagem final com o Tucson, mas o setor precisou ser aumentado para comportar a operação de dois modelos. Com isso, a capacidade produtiva total cresceu de 62 mil para 86 mil unidades/ano, 24 mil só do ix35, em dois turnos de trabalho.

“Queremos continuar a investir aqui e incluir mais um produto moderno em nossa linha”, revelou Andrade. Antonio Maciel Neto, presidente do Grupo Caoa que assumiu o cargo há sete meses, confirmou que existem sim planos, mas o estágio de negociação ainda é embrionário. “Precisamos começar a negociar já, pois demora pelo menos dois anos para planejar um novo produto”, disse. Ele dá uma dica de que seria um outro utilitário: “Essa é a nossa vocação aqui. A Hyundai já inaugurou sua própria fábrica em Piracicaba (SP) para fazer automóveis.”

Fábrica
Evento prestigiado: o ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento) participou da inauguração da linha de produção do Hyundai ix35 em Anápolis (GO), ao lado do controlador do Grupo Caoa, Carlos Alberto de Oliveira Andrade (ao centro), e do presidente executivo da empresa, Antonio Maciel Neto (à direita).

NACIONALIZAÇÃO

De acordo com Maciel, o índice de nacionalização do ix35 é de cerca de 60%, mesmo com a operação de CKD parcial, ainda com poucos componentes comprados no Brasil. “A montagem local completa é muito importante, tanto que empregamos 1,8 mil pessoas para fazer isso”, destacou, lembrando que a fábrica tem processo industrial de soldagem de carroceria (cujas partes vêm da Coreia), pintura e montagem final. Inicialmente, o novo SUV montado em Anápolis tem vidros, assentos e pneus comprados de fornecedores brasileiros (em breve também serão compradas as rodas de liga leve).

O motor também é coreano, mas alguns periféricos são montados em Goiás, incluindo o sistema de injeção de combustível flex fuel gasolina-etanol, comprado da Magneti Marelli. “Por enquanto não há plano de fazer o motor aqui”, adianta o executivo.

Mesmo assim, para atender as exigências de investimento em desenvolvimento de engenharia local do Inovar-Auto, o Grupo Caoa investe atualmente na construção um centro de testes e homologação de motores, com instrumentos de medição de emissões e outras análises.

Apesar da produção local, o preço atual de R$ 94,9 mil do ix35 produzido em Anápolis não será reduzido, continua igual ao da versão até agora importada. “Já tínhamos o desconto de 30 pontos do IPI sobre as unidades importadas, porque tínhamos a cota do Inovar-Auto com a promessa da produção local. Não tínhamos subido o preço antes, mesmo com a alta do dólar, e por isso não baixamos agora”, explicou Maciel.

Produzir o ix35 em Anápolis tem vantagens que vão além do Inovar-Auto. Por estar localizada no Centro-Oeste do País, a fábrica ainda goza dos benefícios do antigo regime automotivo feito para atrair fábricas a esta região e Norte e Nordeste, o mesmo que fez a Ford se instalar em Camaçari, na Bahia. Com isso, os veículos produzidos ali ainda têm descontos no IPI regular, além de ter também o diferimento do ICMS estadual concedido pelo governo de Goiás. A intenção da Caoa é vender todos os 24 mil ix35 produzidos por ano em Anápolis. A capacidade da fábrica de 86 mil/ano é praticamente idêntica a todos os Hyundai que o Grupo Caoa vendeu em 2012. Contudo, com a sobretaxação aos importados, as vendas caíram à metade este ano. Agora, com a produção local de mais modelos, os números tendem a se recuperar.

PARCEIROS DE IMAGEM

Embora tenha separado totalmente as operações no Brasil, a Hyundai parece reconhecer o impulso dado à marca por seu importador oficial no País. “Ambas as operações (Piracicaba e Anápolis) contribuem para a construção de uma marca premium no Brasil”, disse William Lee, presidente da Hyundai Motor Brasil, durante o evento de inauguração da linha do ix35.

Fora da imagem, o papel da Hyundai em Anápolis é de licenciadora. Todos os processos industriais são certificados pela montadora coreana, com auditorias de qualidade periódicas na unidade que, de fato, cresceu bastante em seus seis anos e hoje tem porte expressivo. Dos 6 mil HR produzidos no primeiro ano, hoje a fábrica acumula mais de 150 mil unidades montadas desde a inauguração.

“No começo isso aqui era um matão. Hoje está cada dia mais fácil produzir”, brincou Annuar Ali, vice-presidente do Grupo Caoa. A complexidade das operações industriais também cresceu bastante. “O ix35 tem 3,2 mil pontos de solda para garantir a robustez de sua carroceria. Por causa disso precisamos robotizar 50% do processo de solda, porque o desenho do carro não permite que seja feito tudo manualmente como era antes”, conta. A pintura já tinha sido totalmente automatizada desde a chegada do Tucson, em 2010.

“Esta é a única fábrica independente da Hyundai que faz o ix35, hoje só fabricado na Coreia e Europa”, orgulha-se Andrade. Ao menos por enquanto, ele parece se contentar em ter uma fábrica 100% nacional para montar carros estrangeiros. Maciel confirma que criar uma marca nacional “é um velho sonho do Dr. Carlos”, mas não existe nenhum projeto concreto em andamento, como chegou a ser cogitado quando ele foi chamado para presidir o grupo, há sete meses.

Comentários: 1
 

silvia fonseca
29/10/2013 | 18h04
parabéns, que Deus abençoes com boas vendas! Magnifica fábrica.

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.