NOTÍCIAS
09/08/2017 | 16h50

Crédito

Consórcios anotam alta de 7,4% no 1º semestre

Crescimento foi puxado por autos e comerciais leves e ajudado por pesados


MÁRIO CURCIO, AB

O setor de consórcios para veículos fechou o primeiro semestre com a venda de 963,2 mil novas cotas, registrando alta de 7,4%.

O crescimento da modalidade continua motivado especialmente pelos modelos leves como automóveis e utilitários, cujas 516,6 mil cotas vendidas no período anotaram alta de 20,5% sobre os mesmos seis meses do ano passado.

Os números foram divulgados pela Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios (Abac). A modalidade é favorecida pelo cenário econômico atual e também pela possibilidade de parcelamentos mais longos e sem a necessidade de entrada.

Outra alta importante para os leves, de 26,7%, ocorreu no volume de créditos comercializados, R$ 21,5 bilhões. Esse número é obtido pela multiplicação das novas cotas por seus valores. O consórcio de leves também foi favorecido no semestre pelo crescimento de 6,2% em participantes ativos, aqueles que continuam pagando suas parcelas tendo ou não sido contemplados. Eles somam hoje 3,4 milhões.

O segmento de pesados (caminhões, ônibus, semirreboques, tratores e implementos) também ajudou na alta geral, embora com volumes menores. De janeiro a junho foram 23,4 mil novas cotas, total 10,4% maior que o do mesmo período de 2016. O tíquete ou valor médio das novas cotas subiu 13,7% ao atingir R$ 147,7 mil.

Como consequência, o volume de créditos comercializados para os pesados no semestre (R$ 3,5 bilhões) cresceu 12,3%. Já as contemplações, 14,3 mil, anotaram pequena queda de 5,3% no semestre.

DESEMPENHO AINDA NEGATIVO NAS MOTOS

As motos detêm o segundo maior volume em vendas de consórcio e continuam influenciando negativamente os números totais do setor. No acumulado até junho o segmento registrou a venda de 423,1 mil novas cotas, 5,3% a menos que em igual período de 2016.

Também caiu o número de participantes ativos. Eles somaram 2,3 milhões no semestre, 11,7% a menos que na primeira metade de 2016. As contemplações ou cartas de crédito emitidas no semestre, 286,5 mil, registraram importante queda de 17,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

Levantamento recente divulgado pela Abraciclo, associação dos fabricantes de motocicletas, mostra que a modalidade perdeu espaço para o CDC, Crédito Direto ao Consumidor (veja aqui). O tíquete médio para as motos atingiu no semestre R$ 8,6 mil, registrando alta de 10,3%. Como consequência, o volume de créditos comercializados (R$ 3,6 bilhões) também aumentou 4,1%.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.