NOTÍCIAS
13/09/2017 | 13h50

Crédito

Consórcio obtém recorde anual em novas cotas

Vendas em julho foram as melhores de 2017, com mais de 170 mil unidades


MÁRIO CURCIO, AB

A venda de novas cotas de consórcio para veículos atingiu o seu melhor mês em julho, com 170,8 mil unidades e alta de 4,5% sobre o mês anterior. O acumulado dos sete meses teve 1,13 milhão de novas cotas e alta de 7,6% sobre o mesmo período do ano passado.

O crescimento continua sendo puxado pelos veículos leves (automóveis, picapes e utilitários), em que as novas cotas somaram 614,1 mil unidades no acumulado do ano, anotando alta de 20,1% sobre o mesmo período de 2016.

Os números foram divulgados pela Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios (Abac). Além das novas cotas, o segmento leve obteve outras altas importantes no acumulado do ano. O volume de créditos comercializados (resultado das novas cotas multiplicadas por seus valores) atingiu R$ 25,7 bilhões no período, aumento de 28%. O tíquete ou valor médio das cotas passou a R$ 43,2 mil, alta de 14,3%.

E os participantes ativos, aqueles que mantêm o pagamento das parcelas tendo ou não sido contemplados, aumentaram 6,5%. Já as contemplações cresceram apenas 1% no período. Esse é um reflexo, segundo a Abac, da redução do número de grupos em andamento nos anos recentes como consequência da crise econômica. A associação acredita que as contemplações voltarão a crescer com vigor a partir do fim do primeiro semestre de 2018 se o ambiente econômico ajudar.

PESADOS TAMBÉM EM ALTA

Ainda que em menor número, os veículos pesados (caminhões, ônibus, semirreboques, tratores e implementos) continuam colaborando com o crescimento dos consórcios. A venda de novas cotas para pesados atingiu no acumulado do ano 28,9 mil unidades e cresceu 8,9% sobre os mesmos sete meses de 2016.

O volume de créditos comercializados para pesados chegou a R$ 4,3 bilhões, aumento de 15,6%, e o tíquete médio atingiu R$ 153,2 mil nos sete meses, crescendo 28,2% sobre o mesmo período de 2016. Já as contemplações, 17 mil, recuaram 3,1%. Também houve pequena queda (-1,3%) nos participantes ativos, 275 mil.

RETRAÇÃO PARA MOTOS PERSISTE, MAS DIMINUI

Ao contrário do que ocorre para veículos leves e pesados, a venda de novas cotas para motocicletas continua em queda. No acumulado até julho foram vendidas 491,1 mil unidades, volume 4,6% menor que no mesmo período de 2016. Mas essa retração vem diminuindo. Como exemplo, o primeiro quadrimestre registrava queda de 7,4% e o primeiro semestre, de 5,3%.

Pode-se até imaginar um empate com 2016 até o fim do ano, mas a Abac prefere não apostar nisso pelo quadro político ainda instável e também porque a disposição dos bancos para financiar motos pela modalidade CDC (Crédito Direto ao Consumidor) aumentou no primeiro semestre (veja aqui).

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.