NOTÍCIAS
13/09/2017 | 17h45

Tecnologia

Motor a combustão interna ainda vai evoluir muito

Especialistas do Simea dizem que tecnologia conviverá com elétricos


GIOVANNA RIATO, AB

Os grandes mercado globais globais de veículos já deixaram claro que o carro elétrico é o futuro. Essa rota tecnológica está definida, mas há bons indícios de que ela não será exclusiva. “Há grande campo para melhorar e tornar os motores a combustão mais eficientes. O caminho é eletrificar, mas é importante lembrar que um carro híbrido, por exemplo, ainda conta com um motor a combustão”, diz Ricardo Abreu, diretor de pesquisa e desenvolvimento da Mahle. Na quarta-feira, 13, ele participou do Simea, simpósio de engenharia promovido pela AEA em São Paulo.

Em sua apresentação, o engenheiro fez questão de provocar a plateia a refletir sobre as possibilidades da indústria automotiva para além dos modelos puramente elétricos, que exigem investimento em infraestrutura para ganhar mercado. “Precisamos trabalhar em soluções de baixo carbono com a maior aceitação possível pelo consumidor, fazer o melhor uso de todas as alternativas, sem preconceito”, reforça.

Na visão dele, é essencial levar em conta o ciclo de emissões do poço à roda, considerando que muitos países poluem muito para gerar energia elétrica. É nesse contexto que o motor a combustão tem vida longa, mas não necessariamente com combustíveis fósseis. “Soluções alternativas e renováveis como o gás natural, etanol e biodiesel tendem a crescer.” Estudo destacado por Abreu indica que, em 2030, 90% da frota mundial ainda será composta por carros equipados com o bom o velho motor a combustão. Esse porcentual cairá para 75% em 2040, mostra, sinalizando que as vendas de modelos zero emissão vão acelerar consideravelmente nos próximos anos.

Para Abreu, ainda que conte com o etanol como fonte limpa de energia, o Brasil está claramente atrasado na eletrificação. “Não podemos ficar fora do mundo. Se este é o caminho e precisamos partir para a ação. Estamos atrasados e só com uma legislação que nos indique as próximas etapas será possível ir adiante.

Henry Joseph Jr., vice-presidente da Anfavea que também participou do evento, concorda com a visão de que, independentemente das conquistas até aqui, é necessário seguia a rota tecnológica global - ainda que da maneira brasileira. “Nós usamos combustíveis renováveis desde a década de 1970 e não somos reconhecidos globalmente por isso. Agora temos um espaço importante com a possibilidade de desenvolver a célula de combustível a etanol”, diz, apontando que seria uma solução local relevante em outros mercados.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.