Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Continental terá ajuda das montadoras para crescer em 2018
Renato Sarzano é vice-presidente da Continental pneus para o Mercosul

Indústria | 14/11/2017 | 22h50

Continental terá ajuda das montadoras para crescer em 2018

Divisão de pneus prevê alta apoiada na indústria de automóveis e caminhões

MÁRIO CURCIO, AB | De Mogi-Guaçu

O crescimento da Continental em 2018 virá do fornecimento às linhas de montagem. A expectativa é do vice-presidente da empresa para o Mercosul, Renato Sarzano. “A entrega para as montadoras vai aumentar em automóveis e caminhões”, afirma.

Desde 2016 a empresa vem ampliando o fornecimento direto de pneus comerciais, dobrando as entregas às fábricas de caminhões e carretas (veja aqui).

“E este ano conquistamos fornecimentos importantes para automóveis como Renault Kwid e Captur e também para o Nissan Kicks”, recorda Sarzano. Novas negociações estão adiantadas e em 2018 a empresa passará a fornecer para a linha leve o pneu Power Contact 2, que promete rodar 20% a mais que os concorrentes (veja aqui).

A expectativa de alta da Continental também tem como base as projeções econômicas, que creem em crescimento do PIB em 2,3% e em juros e inflação anuais de 7% e 4%, respectivamente. A fábrica de Camaçari (BA) opera com 2 mil funcionários em três turnos. Trabalha perto do limite da capacidade instalada, que é de 8 milhões de pneus de passeio e 700 mil de carga. No acumulado até outubro a produção também teve pequeno crescimento sobre igual período de 2016. “Mas a indústria de pneus está completando seus ciclos de investimento iniciados por volta de 2014 e não são esperados novos ciclos (em curto prazo) para expansão”, adverte Sarzano.

O vice-presidente da Continental afirma que 15% do que a empresa produz no Brasil é exportado, mas vê problemas para ampliar o mercado externo: “Os custos no Brasil ainda são altos e é difícil quando se tem de importar matéria-prima como nós e exportar o produto acabado.”

Segundo ele, as vendas ao mercado de reposição tendem a ser iguais às de 2017. O aftermarket responde atualmente por 65% dos negócios da Continental no País.



Tags: Continental, Renato Sarzano, automóveis, caminhões, linha de montagem, montadoras, Renault, Captur, Kwid, Nissan, Kicks.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência