NOTÍCIAS
06/12/2017 | 17h46

Mercado

Caminhões têm melhor mês em dois anos

Segmento não emplacava 5,5 mil unidades desde dezembro de 2015


MÁRIO CURCIO, AB

A venda de caminhões em novembro foi próxima a 5,5 mil unidades. Anotou alta de 8,8% sobre outubro e 44% no confronto com novembro de 2016. “Foi o melhor mês desde dezembro de 2015”, recorda Antonio Megale, presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

No acumulado até novembro o setor somou 45,9 mil unidades e pequena queda de 0,5% ante o mesmo período do ano passado, mas, segundo Megale, os licenciamentos acumulados até a quarta-feira, 5 de dezembro, já se igualavam em relação ao período equivalente de 2016. “Os emplacamentos ainda não refletem os bons negócios realizados na Fenatran, que começam a aparecer a partir de dezembro”, recorda Megale.

- Veja aqui os dados da Anfavea
- Veja aqui outros dados da indústria
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência

A associação projetou para 2017 um total de 64 mil veículos pesados na soma de caminhões e ônibus, o que resultaria em alta de 3,6%, mas as vendas realizadas no acumulado até novembro indicam que esse crescimento deve ser mais contido, entre 1,5% e 3%.

Os caminhões pesados ainda são os únicos a registrar crescimento. Com 16,6 mil unidades, superaram em quase 20% os mesmos 11 meses de 2016. Para os modelos leves, que somaram 10,3 mil licenciamentos, persiste uma queda importante de 14,6%. Os semipesados tiveram pouco menos de 12 mil unidades lacradas, recuando 9%.

PRODUÇÃO SOBE 33,9% NO ACUMULADO

A produção de caminhões em novembro atingiu 8,2 mil unidades, praticamente repetindo o mês anterior, mas a comparação com o mesmo mês de 2016 revela alta de 52,6%. No acumulado de janeiro a novembro foram 75,5 mil unidades, 33,9% acima do mesmo período do ano passado. A alta foi motivada por modelos de grande porte. Os semipesados somaram 22,1 mil unidades, crescendo 37,8%. A demanda por esses modelos é motivada, sobretudo, pelas exportações. Os pesados totalizaram 29,5 mil unidades e alta de 49,7%. O crescimento desses modelos tem relação com os mercados interno e externo.

EXPORTAÇÕES CRESCEM 36,8%

As exportações de caminhões no acumulado do ano somaram 26,1 mil unidades, revelando alta de 36,8% sobre o mesmo período de 2016. “É verdade que a maior parte do que exportamos vai para países vizinhos e nossos principais mercados são Argentina, Chile e Peru, mas também estamos atendendo a países distantes como a Rússia, para onde enviamos 2.452 caminhões este ano e crescemos quase 800% sobre o mesmo período do ano passado”, destaca Megale.

Até o fim do ano o Brasil terá exportado cerca de 28,5 mil unidades e com isso 2017 será o quinto melhor ano em exportações nesse segmento. O auge ocorreu em 2007, com 38,1 mil unidades. Já os veículos leves baterão recorde, superando as 706 mil unidades projetadas pela entidade.

ÔNIBUS AINDA PATINAM

As vendas de ônibus no mercado interno registraram melhora neste fim de ano e novembro teve 1,1 mil unidades emplacadas, o que resultou em alta de 22,6% sobre outubro e 78% sobre novembro de 2016, como reflexo de algumas renovações de frota. No entanto, o acumulado do ano teve apenas 10,5 mil unidades, levando ao crescimento de menos de 0,5% ante os mesmos 11 meses do ano passado.

A produção total de ônibus somou até novembro 19,3 mil unidades e registrou alta de 9,1% sobre o mesmo período do ano passado. O maior volume é o de modelos urbanos, 14,9 mil. O segmento teve alta de 10,2%. As exportações somaram no período 8,3 mil unidades, recuando 5,1%. Os modelos urbanos representaram 5,4 mil unidades, registrando estabilidade, mas os 2,9 mil ônibus rodoviários exportados recuaram 13,2% em relação ao mesmo período do ano passado.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.