Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Estratégia | 17/05/2018 | 19h55

Gerdau apresenta aços especiais para atender demandas da nova mobilidade

Lançamento conclui primeira etapa de projeto de mudança cultural e inovação na companhia

GIOVANNA RIATO, AB

Há três anos a Gerdau começou a desenvolver uma nova linha de aços especiais para atender a demanda da indústria automotiva e do setor de geração de energia eólica. Na quinta-feira, 17, as novidades enfim foram apresentadas ao mercado: as famílias GG Max, GG Tech e GG Custom prometem uma série de novas possibilidades, como mais leveza, resistência e, em alguns casos, flexibilidade de uso. “Temos expectativas de mercado, mas é um lançamento muito mais tecnológico do que simplesmente comercial. Com os produtos, conseguiremos atender bem mais as novas demandas da mobilidade, ajudar as empresas a inovar e desenvolver soluções de acordo com as tendências atuais”, conta Mauro Franco, gerente de marketing de aços especiais da companhia.

A chegada da novidade também conclui uma etapa de forte transformação na Gerdau. É o “aço digital”, como diz Fladimir Gauto, diretor de aços especiais da companhia. Nos últimos anos a empresa promoveu profunda atualização em sua cultura interna para ganhar mais agilidade, fomentar a colaboração entre os funcionários e, claro, melhorar o atendimento aos clientes.

“Não queremos ser agente passivo. O mundo exponencial está se transformando rapidamente e trabalhamos para entender como adaptar a Gerdau, uma empresa siderúrgica, a esta mudança. Desenvolvermos as nossas fórmulas”, conta.



TRANSFORMAÇÃO CULTURAL E REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA



A ideia, aponta o executivo, era tornar a empresa mais simples, ágil, com capacidade de responder às novas demandas em ritmo mais adequado. A fórmula da empresa foi criada – e segue em aprimoramento, segundo o executivo - a partir de muita pesquisa com outras organizações e setores. O pontapé inicial foi a saída dos profissionais da família fundadora do comando da empresa para ocupar apenas cadeiras no conselho de administração. A liderança do negócio passou às mãos de executivos. Outra mudança relevante foi a queda das barreiras internas: há contato direto entre todas as áreas, sem salas ou baias dividindo a companhia. O acesso aos diretores e à presidência também ficou mais simples.

Segundo a organização, foi esta revolução interna que pavimentou o caminho para levar a revolução digital às usinas. Com plano de investimento que chegou a R$ 150 milhões em 2016, a Gerdau incluiu sensores em todo o seu processo produtivo, mapeando cada etapa, o que, aponta a companhia, permite aumentar a eficiência e a produtividade. O aporte também garantiu que a empresa adotasse inovações como o uso de realidade virtual para treinar colaboradores, desenvolver um aplicativo para agendar a carga e a descarga dos caminhões que transportam os materiais e usar drones para captar imagens e fazer de forma digital o inventário do pátio de sucata – iniciativa que, sozinha, gerou economia de 93 horas de trabalho por mês. O investimento mais do que compensou, segundo a empresa, que calcula ter gerado economias de R$ 600 milhões só em 2017.

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO TAMBÉM PASSOU POR MUDANÇA



Segundo a Gerdau, a nova família de produtos é a primeira criada com a nova abordagem da área de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D).

“Antes nós olhávamos para dentro, para melhorar processos internos e promover algumas melhorias pontuais de produto. Percebemos a necessidade de ficar mais próximos do cliente, entregar solução, não simplesmente um aço”, diz Samuel Freese, gerente de desenvolvimento de aços especiais da companhia.



Ele diz que a empresa decidiu trabalhar para antecipar tendências, quebrar paradigmas. Um dos caminhos para isso, conta, é colaborar e compartilhar conhecimento. “Firmamos parceria com muitas universidades instituições e o resultado foi surpreendente. Levamos o nosso conhecimento e eles nos ajudaram em muita coisa”, diz, citando organizações como FEI, IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas e Unisinos.

Segundo o líder de P&D, as soluções ganharam eficiência e mais velocidade. “O mercado já não pode mais esperar respostas lentas, ciclos que precisam de muito tempo”, diz. Freese aponta que os produtos atendem a demandas de downsizing dos motores dos carros, redução de custos, de peso dos veículos e, consequentemente, de emissões. Ele destaca que as famílias de aços especiais também são adequadas aos conceitos de Indústria 4.0, já que a produção é completamente rastreável, um fator positivo para os clientes da Gerdau. No longo prazo, a meta é que as melhorias garantam um salto na posição de mercado da companhia. “Queremos nos tornar a escolha global de fornecimento de aços especiais das empresas”, conclui.



Tags: Gerdau, aços especiais, inovação.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência