Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Tesla demite 9% dos funcionários na busca por lucratividade

Negócios | 12/06/2018 | 20h22

Tesla demite 9% dos funcionários na busca por lucratividade

Corte é o maior dos 15 anos de história da fabricante de carros elétricos do Vale do Silício

REDAÇÃO AB

Nem só de disrupção vive a Tesla. A companhia decidiu demitir 9% da força de trabalho, com o corte de 3 mil de seus 37,5 mil funcionários. A redução no quadro de colaboradores é a maior dos 15 anos de história da montadora de carros elétricos e pretende ajudar a empresa a fechar um inédito balanço no azul. O plano da companhia é, ainda neste ano, alcançar a lucratividade e reduzir a dependência de investidores.

O corte foi anunciado por Elon Musk, o CEO da companhia e da empresa de exploração espacial SpaceX, em e-mail para funcionários que vazou para a imprensa. O executivo decidiu, então, se posicionar sobre a decisão em sua movimentada conta no Twitter.



Segundo ele, as demissões vão se concentrar em postos de trabalho administrativos, sem cortes na produção, que tem o desafio de acelerar o ritmo e entregar o alto volume prometido para o Model 3, o carro mais barato da marca, oferecido nos Estados Unidos por US$ 35 mil e com fila de espera superior a um ano. “A Tesla cresceu rápido, o que resultou em alguns papeis duplicados internamente e em funções que faziam sentido no passado, mas hoje já não se justificam”, esclareceu. O número de funcionários da empresa cresceu 12 vezes nos últimos cinco anos.

REDUZIR A BUROCRACIA E GANHAR AGILIDADE


O e-mail enviado por Musk a todos os funcionários destaca que o enxugamento busca garantir que a comunicação flua melhor internamente e que a montadora elimine burocracia e mantenha a capacidade de se mover rápido. Curiosamente, o desafio da jovem marca de carros é comum a todas as fabricantes de veículos, que buscam ganhar agilidade para competir em um mercado que se transforma rapidamente. O executivo agradeceu aos funcionários que contribuíram para o crescimento da companhia e destacou o fato de a Tesla ser uma empresa jovem em um segmento altamente competitivo e, na visão dele, ter dado passos importantes para transformar esta indústria e eletrificar a mobilidade.

As demissões na Tesla acontecem justamente em momento em que a companhia é acusada por trabalhadores de impedir que eles se filiem a sindicatos de classe nos Estados Unidos, algo proibido. Alguns funcionários teriam sido retirados das fábricas por seguranças quando começaram a distribuir panfletos das entidades internamente.

A crise trabalhista não é o único desafio que a montadora enfrenta. A dificuldade para acelerar a produção tende a expor a empresa a concorrentes. Uma série de marcas tradicionais investe no lançamento de carros elétricos de alta performance, como a Porsche, com o esportivo Taycan, e a Mercedes-Benz, com o EQA.



Tags: Tesla, demissão, negócios.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência