Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volkswagen Golf com leve renovação chega sem grandes ambições
O Golf renovado: pequenas alterações cosméticas

Lançamentos | 13/06/2018 | 18h36

Volkswagen Golf com leve renovação chega sem grandes ambições

Novos hatch e perua estão em segmentos de mercados que mais encolhem no Brasil

PEDRO KUTNEY, AB

Os segmentos de hatches médios e peruas (station wagons) estão quase desaparecendo do mercado brasileiro, representam atualmente cerca de 1% das vendas. Apesar disso, a Volkswagen continua renovando, mesmo que modestamente, os seus principais representantes nessas minguantes fatias das preferências nacionais. É o caso da sétima geração do Golf fabricado no Paraná e de sua carroceria perua Golf Variant importada do México, que este mês chegam sem grandes ambições às concessionárias da marca, após passar por leve renovação de design e configuração de versões com mais equipamentos de série.

“É um mercado pequeno, de baixo volume, mas tem clientes cativos. O Golf é um importante embaixador da imagem e tecnologia da marca, por isso sempre terá seu espaço”, afirma Gustavo Schmidt, vice-presidente de vendas e marketing da Volkswagen do Brasil.





Os novos Golf fazem parte da lista de 20 lançamentos da marca prometidos até 2020, depois dos já lançados Polo, Virtus, Amarok V6 e Tiguan All Space. A estimativa com a renovação do modelo é conseguir elevar levemente as vendas, algo como 300 a 400 unidades/mês do hatch e não mais do que 100 por mês da perua. Em 2017 o desempenho foi abaixo desse patamar, com 3,9 mil Golf e 630 Golf Variant emplacados; este ano, de janeiro a maio, os números são 1,4 mil e 283. Para não canibalizar as vendas da perua Golf, a Volkswagen não vai mais importar a Jetta Variant.

Com a migração dos clientes para os SUVs, que caminham para dominar um quarto das vendas no País, Schmidt admite que “no futuro a tendência é de reduzir ainda mais o segmento” de hatches médios e peruas. Mesmo assim, o executivo garante que, ao menos por enquanto, “não está nos planos” deixar de produzir o Golf no Paraná, passando somente a importá-lo. “O carro deve ser pioneiro em receber novas tecnologias”, destaca, em referência às versões elétricas e híbridas do Golf que em breve também chegam ao Brasil, mas estas só importadas. “O mercado brasileiro de elétricos ainda é muito pequeno para justificar a produção aqui”, justifica.

SIMPLIFICAÇÃO COM SOFISTICAÇÃO





Para atuar em nicho cada vez mais apertado do mercado, a Volkswagen simplificou a gama e aumentou a sofisticação tecnológica da linha Golf 2018 com mais equipamentos. Para diferenciar o carro do Polo, o hatch tem três versões em ordem crescente de preços salgados: Confortline 200 TSI (R$ 91.790), Highline 250 TSI (R$ 112.190) e GTI 350 TSI (R$ 143.790).

Os três têm motorizações turboalimentadas diferentes, respectivamente 1.0/flex/três-cilindros/128 cv, 1.4/flex/quatro-cilindros/150 cv e 2.0/gasolina/230 cv (10 cv a mais do que a versão anterior do GTI), que fazem o hatch acelerar de 0 a 100 km/h em 7 segundos e chegar à máxima de 238 km/h. Os dois primeiros têm transmissão automática de seis velocidades, enquanto o GTI usa o câmbio DSG automático de dupla embreagem e seis marchas, com tocada mais esportiva.

A versão perua Variant é o Golf estendido com espaçoso porta-malas de 605 litros (contra 313 l do hatch). Pode ser equipada com teto solar panorâmico de R$ 6,4 mil

Já a carroceria perua Golf Variant chega em apenas duas versões: Confortline 200 TSI (R$ 102.990) e Highline 250 TSI (R$ 113.490), a primeira com o motor 1.0 turbo de 128 cv e a segunda com o 1.4 turbo de 150 cv, ambas com câmbio automático de seis velocidades.

“O câmbio automático deve ajudar a elevar as vendas do Golf 1.0. Também ajuda o fato de as pessoas entenderem melhor hoje que a motorização (turbinada) não é fraca como ficaram conhecidos os carros 1.0 no passado. Hoje o TSI de 1 litro também entrega desempenho”, avalia Schmidt. Contudo, a aposta é que a versão Highline com motor 1.4 TSI será a mais vendida: “É mais potente e quase tão econômico quanto o 1.0. Isso deve atrair mais clientes”, diz.

A motorização é a principal diferença entre as versões. Tanto para perua como hatch, a lista de itens de série de segurança e conforto é bastante abrangente, incluindo sete airbags, controle eletrônico de estabilidade e tração, assistência de partida em rampa, alerta de perda de pressão dos pneus, bloqueio eletrônico de diferencial, assistência de frenagem de emergência, controle automático de velocidade, aletas para trocas manuais de marchas, ar-condicionado, direção elétrica, volante com comandos multifuncionais, sistema multimídia com tela tátil 8”, acionamento elétrico de vidros, travas e retrovisores, câmera de ré, sensores de estacionamento traseiros e dianteiros, sensores de chuva e crepuscular, luzes de condução diurna LED e rodas de liga leve 16” (17” no GTI).

O pacote de opcionais é bastante simplificado, mas tem preços igualmente salgados. No Golf hatch, o teto solar custa R$ 4,8 mil extras, R$ 6,4 mil na Variant. A adoção de rodas 17” (de série no GTI) nos Golf Confortline e Highline sai por R$ 2.450.

Para agregar mais itens tecnológicos, a versão Highline do Golf hatch e perua – que a Volkswagen espera ser a mais vendida da gama, pelo motor 1.4 ser mais esperto e quase tão econômico quanto o 1.0 TSI –, pode agregar o Pacote Premium, que por R$ 9,9 mil agrega controle automático adaptativo de velocidade e distância (ACC) com funções para-e-anda em situações de tráfego lento e frenagem automática de emergência, ajustes elétricos do banco do motorista, detector de fadiga, dosagem automática de intensidade dos faróis de LED, sistema de estacionamento automático Park Assist 2.0, multimídia Discovery Media com navegação e sistema de proteção aos passageiros, que em caso de colisão retrai os cintos de segurança e fecha vidros e teto solar automaticamente.

O topo de linha GTI já vem de série com quadro de instrumentos digital e central multimídia Discovery Media, que mostra também os modos de condução econômico, esportivo ou confortável

O topo de linha GTI já vem com o sistema Discovery Media e quadro de instrumentos 100% digital e configurável ao gosto do motorista. Mas também tem mais dois pacotes opcionais, o Sport, por R$ 5,9 mil, que agrega rodas 18”, ajuste elétrico do banco do motorista e revestimento em couro dos bancos. Por mais R$ 9,2 mil pelo Pacote Premium coloca-se o ACC, Park Assist, sistema de proteção, detector de fadiga e ajuste de intensidade dos faróis. Ou seja, o Golf GTI mais caro, com tudo incluído, sai por R$ 163.690.



Tags: Volkswagen, Golf 2018, Golf Variant 2018, lançamentos, mercado, hatch médio, perua média.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência