Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Mercedes de Iracemápolis segue a vida, apesar do dólar
Unidade do interior de São Paulo fabrica hoje os sedãs Classe C e também o GLA, um utilitário esportivo pequeno

Indústria | 12/07/2018 | 21h14

Mercedes de Iracemápolis segue a vida, apesar do dólar

Fábrica do interior paulista poderá montar também o Classe A sedã

MÁRIO CURCIO, AB

Inaugurada em 2016 para produzir até 20 mil carros por ano, a fábrica da Mercedes em Iracemápolis (SP) deve montar em 2018 cerca de 7,2 mil unidades, pouco mais de 35% da capacidade instalada. As vendas da montadora cresceram quase 9% neste primeiro semestre (veja aqui), mas a alta do dólar e a forte dependência de componentes importados são pontos que jogam contra uma produção local de baixo volume com esta.

Ainda assim, a montadora mantém firme a intenção de produzir no interior de São Paulo: “Existe a possibilidade de montarmos o Classe A sedã em Iracemápolis”, admite o gerente sênior de vendas, Dirlei Dias.

“O carro será parte do portfólio da Mercedes-Benz no Brasil, mas ao menos num primeiro momento virá do México”, afirma. A chegada do novo sedã de entrada deve ocorrer no ano que vem. Se a produção nacional se concretizar, o Classe A sedã vai se juntar ao Classe C e ao utilitário esportivo GLA, que hoje respondem por 60% das vendas internas de automóveis da Mercedes no Brasil. A unidade de Iracemápolis opera em um turno, gerando 430 empregos diretos e outros 370 indiretos.

Sobre as implicações da variação cambial sobre a fábrica, Dirlei Dias recorda: “O dólar atual para nós é volátil, acreditamos que volte ao normal após as eleições”, afirma Dias. Ele não cita que patamar “normal” seria este, mas recorda que o fato de a Mercedes-Benz do Brasil ser uma empresa exportadora (de caminhões) permite que haja este balanço em momentos de instabilidade da moeda.

O gerente de vendas lembra ainda que a utilização dos ex-tarifários no Rota 2030 para importar componentes sem similar nacional, como já ocorria desde o Inovar-Auto, ajuda a manter viável a produção local. A empresa tem também créditos a restituir de IPI, que ainda não foram devolvidos, mesmo após o término do programa Inovar-Auto. E terá também direito à dedução de 1% no IPI por ter superado as metas de eficiência energética do Inovar.



Tags: Mercedes, Mercedes-Benz, Dirlei Dias, Rota 2030, Inovar-Auto, Classe A, GLA, Classe C, utilitário esportivo, caminhões.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência