Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Os 5 pontos-chave para entender a decisão da Tesla de fechar capital

Estratégia | 10/08/2018 | 21h47

Os 5 pontos-chave para entender a decisão da Tesla de fechar capital

Após anúncio no Twitter, CEO da montadora passou a ser investigado por possível manipulação do mercado financeiro

REDAÇÃO AB

Foi com um singelo tweet que Elon Musk, CEO da Tesla, declarou a intenção de tornar a montadora de carros elétricos uma empresa privada, recomprando as ações da companhia no mercado. As nove palavras que o executivo usou para fazer o anúncio foram, mais tarde, complementadas com um e-mail enviado aos funcionários da organização.

Segundo o executivo, o objetivo da manobra é permitir que a companhia volte a se concentrar em seus objetivos de longo prazo, sem a pressão por entregar grandes resultados aos acionistas a cada trimestre – algo em que a Tesla vem falhando miseravelmente em concretizar. “Esta proposta ainda será sujeita a votação dos nossos acionistas”, declarou no texto direcionado aos colaboradores.



A seguir, organizamos cinco tópicos relevantes para entender o impacto do anúncio de Elon Musk:

1- A ESTRATÉGIA PARA A COMPRA


Como já é habitual, Musk causou rebuliço ao fazer o anúncio, mas não detalhou como pretende concretizar o plano. O executivo declarou que a recompra será feita por US$ 420 por ação, garantindo que a Tesla deixe de ser uma empresa pública. A questão é que, se o valor for realmente este, a empresa seria adquirida por um montante maior que seu atual valor de mercado. Segundo a Reuters, a somatória chegaria a US$ 72 bilhões, bem mais do que os US$ 50 bilhões em que a companhia é estimada atualmente e ainda mais valiosa do que uma série de montadoras de alto volume de vendas.

O CEO não explicou como vai pagar por isso. Analistas apontam que o projeto demandaria aporte de um fundo de investimento, já que Musk não planeja aumentar a sua participação no controle da marca para além dos atuais 20%. Nem mesmo a fortuna de US$ 20 bilhões do executivo seria o suficiente para resolver o negócio.

2- MUSK PASSA A SER INVESTIGADO


O suspeito chute para cima no valor de mercado da Tesla chamou a atenção da Securities and Exchange Commission. O órgão abriu uma investigação para entender se o anúncio de Elon Musk foi uma tentativa de manipular o mercado de ações. A instituição quer apurar se o executivo conta mesmo com os recursos para cumprir o que anunciou. Outro aspecto que suscita desconfiança é o fato de a decisão ter sido postada no Twitter. Uma informação tão relevante normalmente seria dada com muito mais cuidado justamente para não provocar alvoroço desnecessário no mercado financeiro.

3- NINGUÉM SABE DE ONDE VIRÃO OS RECURSOS


O ponto-chave da estratégia é também o aspecto mais nebuloso do anúncio de Musk. Segundo apurou a agência Reuters, nem mesmo o conselho de administração da companhia sabe ainda de onde virá o dinheiro necessário para tornar a Tesla uma companhia sem capital aberto na bolsa. A liderança da empresa não teria qualquer informação específica e, muito menos, um estudo financeiro da estratégia.

Investigação da Bloomberg trouxe conclusão ainda mais grave: Elon Musk estaria, neste momento, trabalhando para reunir um grupo de investidores capaz de levantar capital para comprar a companhia. Se confirmada, a iniciativa caracteriza fraude, já que o executivo anunciou que fecharia o capital da empresa antes de, de fato, ter recursos para isso, provocando aumento de 10% no valor das ações.

4- FECHAR CAPITAL PODE FAZER SENTIDO


Supondo que Musk levante recursos para a compra de ações, há especialistas que apontam que o plano faz sentido para uma empresa que tem como principal compromisso o desenvolvimento de novas tecnologias. Segundo analistas, apesar de toda a visibilidade em torno de soluções como carros elétricos e autônomos, a verdade é que empresas engajadas em desenvolver estas soluções ainda devem perder muito dinheiro antes de encontrar um modelo de negócio viável. Este processo simplesmente não é bem aceito por acionistas, que buscam resultados imediatos. Diante disso, assumir os próprios prejuízos como uma empresa fechada pode ser um caminho.

5- MODELO DE NEGÓCIO DA TESLA AINDA NÃO DEU CERTO


Se a estratégia for assumir prejuízos até encontrar um modelo de negócio viável, a Tesla tem longa estrada pela frente. Pesquisas da J.D. Power indicam que o consumidor tem disposição a pagar mais caro por uma tecnologia se o investimento for compensado em até dois anos. “O carro elétrico não chega nem perto disso. É muito difícil como negócio”, disse Doug Betts, vice-presidente da consultoria, em entrevista a Automotive Business.

Segundo ele, a Tesla desenhou uma estratégia inteligente ao focar inicialmente no segmento premium e por estar sediada na Califórnia, onde as pessoas têm preocupação grande com o meio ambiente e, portanto, mostram mais disposição para comprar veículos com nível menor de missões. Além disso, há generoso incentivo de US$ 7,5 mil para que os clientes invistam em modelos com a tecnologia. “Foi a melhor escolha possível, mas o resultado, como negócio, não veio”, diz Betts, citando os consecutivos balanços da companhia no vermelho.

Segundo ele, o fato de fazer carros com autonomia de 300 quilômetros significa que a empresa gasta uma quantia absurda de dinheiro com baterias, algo difícil de ser compensado. “As outras montadoras não fizeram isso não por falta de tecnologia, mas porque não estão dispostas a acumular tantos prejuízos. A Tesla construiu coisas muito importantes, mas alcançar a lucratividade não será missão simples. Me preocupo com o futuro da companhia”, declarou o especialista.



Tags: Tesla, fechar capital, compra, empresa privada.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência