Automotive Business
  
News Mobility Now

Opinião | Paulo Braga |

Ver todas as opiniões
Paulo Braga

03/06/2021

Cledorvino Belini, ainda com pique total

O ex-presidente da então Fiat Chrysler América Latina continua na ativa


As histórias de Belini e da FCA se entrelaçaram por 44 anos

Cledorvino Belini aposentado? Muito ao contrário do que se poderia imaginar, ele anda mais ativo do que nunca. Nem de longe o incansável administrador e executivo pensa em aposentadoria. Aos 72 anos (nasceu em 3 de maio de 1949), mora em Nova Lima (MG) e está bem de saúde, depois de enfrentar a Covid-19 e uma internação de dez dias no CTI do hospital Mater Dei, de Belo Horizonte, MG. “Estou com pique total”, disse a Automotive Business.

“Depois que me aposentei na FCA, fui indicado pelo BNDES para o conselho de administração da JBS para ajudar na reestruturação da empresa. Em seguida atuei na Odebrecht para implantação do compliance”, lembra Belini. Em fevereiro de 2019, a convite do governador de Minas Gerais, assumiu a presidência da Cemig, liderando um processo de reestruturação da companhia. Deixou o comando no ano seguinte e passou a fazer parte do conselho de administração.

É membro do conselho de administração da Baterias Moura (e estudioso de acumuladores de energia), vice-presidente da associação comercial de Minas Gerais e presidente do Minas pela Paz, entidade criada pela Fiemg e pelas maiores empresas daquele estado para combater a violência, reduzir a criminalidade e promover a inclusão social por meio da educação. É sócio da Belini Associados, da Belini Empreendimentos Imobiliários e sócio da Greenbel Geração Solar.

CARREIRA INTENSA



Belini formou-se em administração de empresas pela Universidade Mackenzie e cursou a pós-graduação em finanças no curso de mestrado na USP. Possui MBA pelo FDC/Insead, obtido em 2002.

Conheci o Belini no início de sua carreira executiva quando foi presidente da Magneti Marelli, de 1997 a 2004. Em minha entrevista, para editar um balanço do desempenho do setor automotivo, ele enfatizava a importância da logística e da estratégia, conceitos que o guiaram em uma das mais bem sucedidas carreiras na indústria automobilística.

As histórias da Fiat no Brasil e de Belini se entrelaçaram por 44 anos. Ele chegou ao Grupo Fiat em 1973, antes mesmo da construção da Fiat Automóveis, que começaria a produzir em 1976. Trabalhava na Fiat Tratores, a divisão de máquinas agrícolas que, depois de se expandir através de incorporações, tornou-se a Case New Holland (CNH), como recorda Roberto Baraldi, atual responsável por media relations na área de comunicação corporativa da Stellantis, empresa fruto da recente associação entre o grupo Fiat e Peugeot Citroën.

Na Fiat Tratores, Belini exerceu diversas atividades, chegando a diretor de compras, planejamento da produção e logística, cargo que ocupou de 1983 a 1986. Em 1987, recebeu um convite para trabalhar na Fiat Automóveis como diretor de compras. Nesta função, escreveu um capítulo importante da história da Fiat e de Minas Gerais com o programa conhecido como “mineirização” da cadeia de suprimento, com o desenvolvimento do parque de fornecedores e implantação do just-in-time e do kanban, com ampla redução de estoques.

A partir de 1994, já como diretor comercial e diretor geral da Fiat Automóveis, Belini foi o responsável pela introdução do bem-sucedido programa de vendas Mille On Line e lançamento do Fiat Palio, carro mundial da Fiat.

Em 2005, Belini assumiu a presidência do Grupo Fiat na América Latina. Em 2011, quando da aquisição do controle acionário da Chrysler pela Fiat, Belini também assumiu a responsabilidade pelas atividades da FCA – Fiat Chrysler Automobiles na América Latina. A partir de 2009, Belini passou a integrar o Conselho Executivo (GEC) do então Fiat Group, a mais elevada instância mundial de comando executivo do Grupo Fiat Chrysler. Nessa época, o executivo acumulou a presidência da Fiat Finanças Brasil (2005) e a presidência do conselho de administração do Banco Fidis (2009).

Foi, além disso, membro do conselho superior estratégico da Federação das Indústrias do Estado de Paulo (Fiesp) e do International Advisory Board da Fundação Dom Cabral, atuando no projeto Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI).

Entre março de 2010 e abril de 2013, Belini foi presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

No final de 2015, após a inauguração da fábrica de Pernambuco, Belini deixou a FCA e ficou atuando como presidente de desenvolvimento da FCA Participações, onde permaneceu até o final de 2017, desligando-se do grupo.

Comentários

  • FredSalomão

    Obrigadopor trazer novas notícias de Belini. Para mim o maior executivo brasileiro e um dos melhores administradores de todos os tempos, pela humildade, garra e energia positiva com que envolve as pessoas em torno de um propósito!!

  • jorgedelic

    Paulootima materia de craque, parabens

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now