Abeifa ganha 3 novos sócios importadores de quadriciclos

BRP, CF Moto e Polaris: novos sócios da Abeifa, importadores de quadriciclos offroad

Por PEDRO KUTNEY, AB
  • 06/07/2021 - 16:37
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    A Abeifa, entidade que representa importadores e fabricantes de 13 marcas de automóveis, abriu este mês uma nova categoria de associação denominada “veículos recreativos”, e com isso já abriga três novos associados: CF Moto, Polaris e BRP (Bombardier Recreational Products) com a marca Cam-Am, que trabalham com quadriciclos offroad importados.

    Publicidade



    “Queremos trabalhar com as novas associadas e o governo em uma proposta de regulamentação para circulação desses veículos recreativos fora-de-estrada. É importante para o País regulamentar a atuação desses modelos para o uso por empresas e pessoas, para que sejam mais uma opção de mobilidade, principalmente em regiões com vocação turística”, endossa João Oliveira, presidente da Abeifa.

    Oliveira explica que a criação da nova categoria de associadas está em linha com o objetivo da Abeifa de ampliar seu quadro para empresas ligadas à mobilidade. “Assim como os veículos recreativos aderiram à entidade, outras categorias do setor automotivo poderão se filiar, como os importadores e fabricantes fornecedores de produtos de mobilidade sustentável, pauta que o mundo terá de enfrentar daqui para frente”, diz.



    LEIA TAMBÉM:
    > Vendas de importadores da Abeifa crescem 15%, metade da média no semestre



    Segundo a Abeifa, o impulso para essa investida das empresas veio com a pandemia de Covid-19. Nos últimos meses o segmento de quadriciclos passou por crescimento substancial em volume de vendas, impulsionado por pessoas que passaram pelo processo de isolamento social que passaram a buscar por atividades externas para lazer ou até mesmo como fonte de renda.

    Fernando Alves, diretor geral da BRP no Brasil, estima que o mercado nacional de quadriciclos deve fechar 2021 com cerca de 7,5 mil unidades vendidas. “Mas o potencial é que esse volume deverá crescer de oito a dez vezes nos próximos anos”, afirma. “Temos um País imenso onde apenas 10% das estradas municipais e estaduais são pavimentadas. Esse veículos podem atender muitas dessas regiões e expandir sua utilização com a regulamentação da circulação”, completa.

    Para Alves, a regulamentação desses veículos deverá incentivar essa expansão, como já acontece nos Estados Unidos e Canadá, principalmente. A ideia é que os quadriciclos comecem a ser emplacados ou adotem algum outro tipo de identificação, como um QR code. “Ainda estamos estudando qual seria a melhor forma para apresentar uma proposta ao governo, que poderá adaptar aqui legislações que já existem no exterior para esse segmento”, diz.