Abiplast alerta para monopólio da Braskem

Entidade leva preocupações do setor ao Cade.

Por Automotive Business
  • 18/01/2011 - 17:18
  • | Atualizado há 2 months
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Redação AB

    A Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast) expôs ao Cade – Conselho Administrativo de Defesa Econômica – as preocupações do setor da indústria de transformação de plástico com o monopólio de mercado da Braskem. A principal apreensão da entidade é a aquisição da Quattor pela companhia. O negócio foi fechado no início de 2010, mas ainda está em análise no órgão.

    Representantes da Abiplast reuniram-se com Vinícius de Carvalho, conselheiro do Cade, para discutir o assunto nesta terça-feira, 18. A associação aponta que as resinas plásticas brasileiras já têm um dos preços mais altos do mundo por conta da posição da Braskem no País. A situação fica ainda mais complicada porque a companhia conta com medidas de defesa comercial contra a importação e tem contratos de exclusividade com grandes fornecedores estrangeiros.

    José Ricardo Roriz, presidente da entidade afirma que “a consolidação da posição da empresa como única fornecedora local, sem algumas obrigações, poderá gerar efeitos nefastos ao mercado”. Segundo ele, a população de baixa renda será a principal prejudicada por conta do aumento dos preços dos itens plásticos e de materiais para a construção civil, que podem impactar no programa Minha Casa, Minha Vida.

    A Abiplast pede que o Cade que só aprove a aquisição da Quattor pela Braskem caso sejam retiradas as medidas de defesa comercial e revogadas as cláusulas de fornecimento exclusivo do contrato com fornecedores estrangeiros.