Abraciclo aborda segurança e tecnologia em workshop

Evento na Amcham reuniu profissionais do setor de motocicletas.

Por Mário Curcio, AB
  • 20/05/2011 - 18:50
  • | Atualizado há 2 months
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Mário Curcio, AB

    Ocorreu nesta sexta-feira, 20, o Segundo Workshop Abraciclo, organizado pela associação que reúne fabricantes de motos e bicicletas. O evento foi realizado na Câmara Americana de Comércio (Amcham). Durante o evento, palestrantes abordaram assuntos ligados à moto como segurança, tecnologia e tributação no setor. Marcelo Sebastião, diretor da Porto Seguro, comentou as oportunidades que o setor oferece às seguradoras. “O número de motos seguradas cresce 30% ao ano, mas apenas 1,3% da frota tem seguro. Entre os carros, esse número sobe para 25%.” Segundo Sebastião, hoje é mais fácil segurar motos de baixa cilindrada: “Só não aceitamos modelos abaixo de 90 cc nem aquelas usadas por motoboys ou mototaxistas. Mas quem precisa da moto como transporte pode fazer o seguro normalmente.”

    Um grande problema em relação ao seguro de moto ainda são os furtos e roubos, que respondem por 57% dos sinistros. As colisões com perda total somam 29% dos registros (os 14% restantes são colisões com danos menores).

    Sobre a tecnologia utilizada nas motos, o supervisor de Relações Institucionais da Honda, Alfredo Guedes, abordou a utilização dos freios ABS como opcionais: “Numa moto maior (CB600F Hornet), esse item aumenta em cerca de 10% o preço da moto. Quando aplicado num modelo de média cilindrada (CB 300R, por exemplo), esse acréscimo chega a 30%. Para motos menores esse custo seria muito alto. Numa CG 150 Titan, aumentaria o preço da moto em cerca de 50%.”